Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.EPara o Topo

Arquivos chile - IberCultura Viva

09

set
2022

Em Notícias

Por IberCultura

OCCs da região de Coquimbo entregam proposta de política cultural comunitária à ministra das Culturas do Chile

Em 09, set 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Integrantes da Mesa Regional de Organizações Culturais Comunitárias (OCCs) de Coquimbo, no Chile, entregaram uma proposta de política cultural comunitária à ministra das Culturas, das Artes e do Patrimônio, Julieta Brodsky Hernández, no dia 1º de setembro, em uma reunião realizada na Biblioteca David León Tapia de Tongoy, no encerramento de sua visita à região. 

O documento foi elaborado com o objetivo de subsidiar o processo de criação do programa Pontos de Cultura, que o Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio pretende implantar no país a partir de 2023. “Estamos muito animadas com tudo o que fizemos. Foi uma agenda intensa que nos permitiu conversar com as organizações e conhecer mais sobre o que está sendo feito na região”, disse a ministra.

Encontro da Mesa de OCCs com a ministra das Culturas, Julieta Brodsky, em Tongoy

Alguns dos/das representantes das organizações que estiveram presentes na atividade vieram de diversos pontos da região, como Guanaqueros (Coquimbo), Las Compañías (La Serena), Tierras Blancas (Coquimbo), Diaguitas (Vicuña), Los Vilos e Salamanca, para participar desta conversa conjunta e falar sobre os desafios que elas têm em relação ao novo programa do ministério. 

Tania González, representante do Colectivo de Artes Integradas Literarias (Kail), de Los Vilos, contou que a proposta entregue à ministra vem sendo trabalhada desde 2017 e conta com “metodologias adequadas, com a assessoria de grandes profissionais da região na área da gestão”. Já Manuel Zambra, presidente da Agrupación David León Tapia de Tongoy, comentou que o encontro com a ministra “foi um privilégio” e “muito emotivo”, uma vez que ela foi criada em Tongoy. Logo após a reunião, a agrupação ingressou oficialmente na Mesa Regional das Organizações Culturais Comunitárias de Coquimbo.

.

Encontro presencial

Alguns dias antes, no final de agosto, a Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região de Coquimbo pôde se reencontrar pessoalmente, em um dia marcado pelo companheirismo, pela escuta ativa e a partilha de experiências, após dois anos de distanciamento devido à pandemia de Covid-19. 

Este encontro presencial, que ocorreu na cidade de El Molle (Vicuña), fez parte do projeto associativo “(Re)Encontro: Fortalecendo a Mesa Regional OCC Coquimbo”, desenvolvido pelo programa Red Cultura, da Seremi das Culturas, das Artes e do Patrimônio de Coquimbo.

O encontro consistiu em diversas atividades, como um “varal de roupa social”, com valores e conceitos que as organizações relacionam com seu cotidiano, uma dinâmica de levantamento de informações e perguntas sobre a situação atual dos grupos. Além disso, houve uma série de apresentações nas quais as OCCs puderam compartilhar como adaptaram suas atividades durante a pandemia, o trabalho com plataformas digitais e os desafios futuros.

.

(Fonte: Ministério das Culturas, das Artes e do Património)

Tags | ,

15

ago
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile promove ciclo de palestras “Pontos de Cultura na América Latina: Aprender para criar”

Em 15, ago 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

(Foto: Marina Leitner)

.

Representantes de seis países participarão do ciclo de conversatórios “Pontos de Cultura na América Latina: Aprender para criar”, que será realizado virtualmente de 18 de agosto a 22 de setembro, sempre às quintas-feiras, das 18h às 20h (horário do Chile), via Facebook Live (Cidadania Cultural).

A iniciativa visa abrir espaços de diálogo, discussão e participação para a construção do programa Pontos de Cultura que será implementado, a partir de 2023, pelo Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, por meio do Departamento de Cidadania Cultural.

Todas as quintas-feiras, expoentes da América Latina serão convidados a compartilhar suas experiências. Participarão representantes da Argentina, do Peru, do México, da Costa Rica, do Uruguai e do Brasil. Entre as pessoas convidadas há representantes governamentais e integrantes de Pontos de Cultura.

 Os diálogos serão abertos ao público em geral e especialmente a membros das comunidades organizadas em torno da cultura, que desenvolvem atividades artísticas e culturais no Chile. Para se inscrever e/ou fazer consultas, deve-se enviar um e-mail para puntodecultura@cultura.gob.cl.

.

Primeiro dia: Argentina

Diego Benhabib

O ciclo começará com a experiência dos Pontos de Cultura na Argentina, na próxima quinta-feira, 18 de agosto. Participarão como expositores Diego Benhabib, coordenador do programa Puntos de Cultura desenvolvido pelo Ministério de Cultura; Marihem Soria, diretora de Cultura Viva da Secretaria de Cultura de Córdoba, e Eduardo Balán, coordenador do coletivo El Culebrón Timbal, que integra a Rede Nacional de Pontos de Cultura. 

Na Argentina, Puntos de Cultura é um programa nacional que busca fortalecer as ações de redes, grupos e organizações culturais ancoradas territorialmente, por meio de apoio técnico e econômico para sustentar seus espaços e aprimorar seus projetos culturais comunitários. 

Desde 2011, o programa acompanha o desenvolvimento de projetos culturais territoriais e coletivos, promovidos por organizações que estão inseridas nas áreas mais vulneráveis ​​e que trabalham com os setores mais carentes da sociedade. Mais de mil organizações de todo o território federal compõem a Rede Nacional de Pontos de Cultura, por meio da qual se realizam intercâmbios de saberes e experiências.

.

Segundo dia: Peru

Carlos La Rosa

A segunda conversa, no dia 25 de agosto, será dedicada à experiência do Peru. Criada em 2011, a iniciativa da Direção de Artes do Ministério de Cultura do Peru busca ampliar o exercício dos direitos culturais em nível comunitário, com ênfase especial nas crianças, nos jovens e na população em situação de vulnerabilidade, promovendo a inclusão, o empoderamento e a cidadania intercultural.

Para tanto, o Ministério da Cultura identifica, reconhece, fortalece e articula em uma Rede Nacional de Pontos de Cultura as organizações sociais que mantêm um trabalho contínuo, com base na arte e na cultura, auxiliando no atendimento das prioridades locais (como melhoria da educação, saúde e segurança) e promovendo processos de desenvolvimento individual e comunitário. Atualmente, a rede conta com mais de 550 Pontos de Cultura na região metropolitana de Lima e nas 25 regiões do país. 

Os expositores serão: Carlos La Rosa, diretor de Artes do Ministério da Cultura; Fabiola Figueroa Cárdenas, gerente de Cultura da Municipalidade de Lima Metropolitana; Gustavo López Infantas, subgerente de Promoção Cultural e Cidadania da Municipalidade de Lima Metropolitana; María Elena Benites Aguirre, dp grupo Chaski Comunicação Audiovisual (Lima); Connie Philipps Del Castillo, da Lupuna Artes Amazónicas (San Martín); Wilman Calderón Castillo, da Associação do Grupo de Teatro Mala – GRUTEMA (província de Lima), e Eduardo Ludeña León, da Associação Cultural Latino-Americana Unida (Lima).

.

Terceiro dia: México

Esther Hernández

O programa Cultura Comunitária, desenvolvido há três anos pela Secretaria de Cultura do Governo do México, será o tema do terceiro dia do ciclo, em 1º de setembro. As apresentações programadas são de Esther Hernández Torres, diretora geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura e presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, e Manuel Trujillo, representante da presidência do programa, que também comentará o trabalho da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais.

Esther Hernández comentará especialmente o trabalho realizado a partir dos Semilleros Creativos, uma das principais iniciativas do programa Cultura Comunitária, concebido como espaços de ensino e aprendizagem artística para crianças e jovens em contextos comunitários, com vistas à transformação social. O país tem cerca de 300 Semilleros Creativos. 

Lançado em fevereiro de 2019, o programa Cultura Comunitária busca promover o exercício efetivo dos direitos culturais de indivíduos, grupos e comunidades, principalmente aqueles/as que ficaram de fora das políticas culturais, por meio do desenho de estratégias que promovam a cultura para a paz, transformação social, participação na vida cultural, desenvolvimento cultural comunitário e fortalecimento das capacidades locais, sob os princípios de inclusão e não discriminação.

.

Quarto dia: Costa Rica

Eduardo Reyes

No dia 8 de setembro, a discussão girará em torno da experiência da Costa Rica. As apresentações serão feitas por Eduardo Reyes Paniagua, gestor sociocultural responsável pelo programa de Pontos de Cultura do Ministério da Cultura e Juventude, além de representantes do Ponto de Cultura Cine El Bajo e da Municipalidade de Alajuelita, que faz parte da Rede do IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais e está implementando em 2022 o plano operativo da política cultural que foi aprovada em outubro de 2019. 

Na Costa Rica, Puntos de Cultura é um programa de estímulo administrado pela Direção de Gestão Sociocultural do Ministério da Cultura e Juventude. Desde a sua primeira convocatória, em 2015, apoiou 153 projetos de organizações e grupos culturais, com uma grande diversidade de temas e áreas de atuação.

Um dos objetivos do programa é gerar condições para o exercício dos direitos culturais das pessoas por meio da atuação das organizações socioculturais e das comunidades com as quais trabalham. Além disso, procura criar intercâmbios e espaços de formação conjunta, para melhorar as capacidades de gestão das organizações socioculturais do país.

.

Quinto dia: Uruguai 

Juan Carlos Barreto

No Uruguai, Puntos de Cultura é um programa da área de Gestão Territorial da Direção Nacional de Cultura, do Ministério da Educação e Cultura, que surge na articulação interinstitucional com os três níveis de governo (estadual, departamental e municipal). Seu objetivo é reconhecer e fortalecer coletivos ou organizações que desenvolvam atividades culturais com impacto em nível comunitário e que contribuam para a inclusão sociocultural.

Os destinatários do programa Puntos de Cultura são as organizações, movimentos, associações, cooperativas, coletivos e grupos culturais da sociedade civil que têm um tempo de atuação na comunidade, desenvolvendo atividades, promovendo o exercício dos direitos culturais e o desenvolvimento local.

Na conversa do dia 15 de setembro, que será dedicada à experiência uruguaia, está prevista a participação de Juan Carlos Barreto, coordenador da área de Gestão Territorial da Direção Nacional de Cultura, e de Laura López, coordenadora nacional do programa Puntos de Cultura.

.

Sexto dia: Brasil

Celio Turino

A sexta e última discussão do ciclo, no dia 22 de setembro, será dedicada ao Brasil, país que implementou o programa Cultura Viva em 2004, inspirando os demais países da América Latina a se comprometerem com um modelo de política “de baixo para cima”, dando força e reconhecimento institucional às organizações da sociedade civil que já desenvolviam atividades culturais em suas comunidades.

O programa Cultura Viva, transformado em política de Estado no Brasil em 2014, com a sanção da Lei 13.018, tem como base de apoio os Pontos de Cultura, que são as entidades ou coletivos culturais reconhecidos e certificados pelo governo federal. Não existe um modelo único de Pontos de Cultura. Cada um desenvolve suas atividades de acordo com suas necessidades e plano de trabalho. A ideia é que não tenha fins lucrativos, que realmente atue como ponto de cultura em sua comunidade, que seja um espaço de prática, aprendizado e vivência cultural. Entre os aspectos comuns a todos estão a transversalidade e a gestão compartilhada entre Estado e sociedade civil. 

Os convidados para este conversatório são Célio Turino, historiador, escritor e gestor de políticas públicas, um dos idealizadores do programa Cultura Viva e impulsor dos Pontos de Cultura, e Alexandre Santini, ex-diretor de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura do Brasil, e atual secretário das Culturas de Niterói, um dos municípios membros da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais.  

.

(Fonte: Ministério das Culturas, Artes e Patrimônio do Chile)

Tags | , ,

09

ago
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile inaugura a sétima edição da Escola de Idiomas Indígenas

Em 09, ago 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Foi inaugurada no dia 6 de agosto a sétima edição da Escola de Idiomas Indígenas, que ministra cursos de línguas e oficinas de artes e ofícios dos povos Aymara, Quechua, Rapa Nui e Mapuche no Chile. A escola é financiada e coordenada pelo Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio, com o apoio da Universidade Católica Silva Henríquez.

Para este ano está contemplada a seleção de 360 ​​pessoas para os 24 cursos e oficinas (cada curso e oficina tem 15 cotas). Entre os nove cursos e oficinas de idiomas previstos estão aimará, quíchua, mapuzugun e rapa nui, de nível básico ou iniciante, intermediário e avançado.

Entre as 15 oficinas de artes e ofícios estão têxteis mapuche, têxteis aimarás, cerâmica mapuche, cerâmica quíchua, ourivesaria mapuche, fabricação de instrumentos musicais indígenas, gastronomia mapuche, dança mapuche, dança rapa nui, música tradicional mapuche e oficina palin (esporte tradicional mapuche) .

.

Um espaço de diálogo

Na abertura desta sétima edição, no Centro Cerimonial dos Povos Indígenas de Peñalolén, a ministra das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, Julieta Brodsky Hernández, destacou que “a Escola de Idiomas Indígenas tem se constituído como uma iniciativa de participação efetiva e permanente de povos indígenas e não indígenas, conseguindo gerar uma instância real de interculturalidade, onde podemos conversar, dialogar, nos conhecer de forma respeitosa e nos aproximarmos uns dos outros”. 

Para ela, esse tipo de iniciativa é muito importante para gerar uma convivência harmoniosa e pacífica entre os diversos povos e culturas que integram o país. “Eles são um avanço para a sociedade que queremos construir”, afirmou.

A Escola de Idiomas Indígenas é a única instância pedagógica indígena não formal de caráter pluricultural, plurilíngue e plurinacional em funcionamento no país, segundo quatro organizações populares reconhecidas pela Lei 19,2

.

Revitalização 

Criada em 2016, com o objetivo de contribuir para a revitalização linguística, artística e artesanal dos povos indígenas, a escola é uma iniciativa criada e realizada por organizações indígenas da Região Metropolitana participantes do Programa de Revitalização Cultural Indígena e Afrodescendente, implementado pela Subdiretoria de Povos Indígenas do Serviço do Patrimônio Cultural Nacional. No último ciclo (2021-2022), 43 organizações participaram do programa.

Nas seis versões anteriores da escola, mais de 1.200 pessoas participaram dos cursos e oficinas, e aproximadamente 10.000 o fizeram como público nas atividades artísticas e culturais.

.

Atividades de extensão

A Escola de Idiomas Indígenas também contempla uma série de atividades de extensão que permitem a divulgação das artes e conhecimentos tradicionais e contemporâneos dos quatro povos que a compõem. Entre eles estão a comemoração do Dia Internacional dos Povos Indígenas, a comemoração do Dia Internacional da Mulher Indígena e Sabores da Memória Ancestral, evento que tem como objetivo divulgar a gastronomia indígena presente na Região Metropolitana.

.

(Fonte: Ministério das Culturas, das Artes e do Património)

Tags | ,

26

Maio
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile abre edital para financiar iniciativas de organizações culturais comunitárias

Em 26, Maio 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Desenvolver ações associativas entre organizações culturais comunitárias (OCC), financiar programação artística e cultural local ou implementar um plano de equipamentos para o desenvolvimento de atividades serão algumas das iniciativas contempladas na Convocatória para Financiamento de Iniciativas Culturais Comunitárias (FICC) 2022, que o Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, por meio do programa Red Cultura do Departamento de Cidadania Cultural, abriu nesta segunda-feira, 23 de maio.

“Apoiar as organizações locais é uma prioridade para o nosso governo. Queremos fortalecer e continuar a abrir espaços de participação e incidência na gestão cultural que se realiza nos territórios, apoiar iniciativas artísticas e culturais – através de uma visão intercultural – que favoreçam a inclusão social e a identidade das comunidades”, afirma a ministra das Culturas, das Artes e do Patrimônio, Julieta Brodsky Hernández.

Segundo a ministra, “esta convocatória de 2022 representa a transição do trabalho feito até agora através da Red Cultura para o novo programa Puntos de Cultura, que será ajustado e dará ênfase às demandas e exigências das organizações comunitárias”.

(Foto: Centro Cultural El Cahuin de Molina)

.

Este ano, o edital conta com uma nova linha de apoio que permitirá financiar pesquisas relacionadas à cultura comunitária, com o objetivo de conhecer experiências territoriais, ou que se refiram ao desenvolvimento de políticas de base comunitária. Em outra linha de apoio, também pode ser financiada a aquisição de insumos e equipamentos.

“Através do trabalho conjunto buscamos aliviar e facilitar a construção de identidades culturais territoriais. Queremos tornar visível a forma como se expressam. Não acreditamos que a cultura seja algo que deva ser entregue, mas, ao contrário, acreditamos que as expressões culturais surgem das próprias comunidades e dialogam com o resto do país, dando vida ao que chamamos de Democracia Cultural ”, destaca Julieta Brodsky.

O orçamento total estimado para este edital é de 630 milhões de pesos chilenos (cerca de 754 mil dólares). De acordo com as linhas de candidatura, os montantes para financiar as iniciativas variam entre 3 milhões e 10 milhões de pesos. As inscrições estarão abertas até 5 de julho de 2022, às 17h (horário de Santiago do Chile).

.

Linhas de apoio

1.Linha de Ativação Artística e Cultural da Comunidade

Modalidade de trabalho em rede nos territórios: Busca fortalecer as redes associativas de intercâmbio, colaboração, cooperação e reciprocidade entre OCC, por meio de ações voltadas à promoção da gestão cultural comunitária de todas em conjunto.

Modalidade de iniciativas artísticas comunitárias: Tem como objetivo financiar iniciativas que fortaleçam a programação artística cultural junto à comunidade e ao território de origem da OCC postulante.

2. Linha de Fortalecimento de Organizações Culturais Comunitárias 

Procura apoiar o fortalecimento e consolidação das OCCs territoriais através da complementaridade da programação artística cultural e com a comunidade onde está inserida, quer no domínio da gestão cultural comunitária, quer nas suas atividades de promoção e ativação do tecido social comunitário.

3. Linha de Implementação para Organizações Culturais Comunitárias 

Esta linha destina-se a financiar a aquisição de insumos e equipamentos para as OCCs ativas, com personalidade jurídica. A implementação financiada deve apoiar as atividades artísticas da OCC, permitindo a incorporação de novas atividades ou ampliando o repertório de expressões artísticas voltadas para a comunidade local.

4. Linha de Acervo Documental sobre Cultura Comunitária

Busca contribuir com pesquisas relacionadas a questões relacionadas à cultura comunitária, incentivando a elaboração de textos que promovam o reconhecimento e valorização das organizações comunitárias culturais e sua contribuição para a construção de uma sociedade diversificada e atuante.

.

Quem pode se candidatar?

Podem candidatar-se organizações culturais comunitárias que contribuam para a integração social e para o fortalecimento da identidade e diversidade cultural do seu território local. Podem ter ou não personalidade jurídica, com exceção da Linha de Implementação de Organizações Culturais Comunitárias, em que é obrigatório ter personalidade jurídica válida.

Pessoas físicas com experiência em gestão cultural comunitária ou publicações sobre cultura comunitária podem candidatar-se à Linha Acervo Documental sobre Cultura Comunitária.

.

Consultas

Dúvidas podem ser feitas para o e-mail redcultura@cultura.gob.cl

.

Como se inscrever?

Você só pode se inscrever digitalmente enviando um e-mail para summons.redcultura@cultura.gob.cl. Não serão aceitas inscrições pessoalmente ou por carta registrada.

.

Prazo de inscrição

De 23 de maio a 5 de julho de 2022.

.

Confira o regulamento

.

Leia também:

Ministerio de las Culturas anuncia apertura de convocatoria para apoyar y financiar iniciativas de Organizaciones Culturales Comunitarias

..

(Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio)

Tags | , ,

14

Maio
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Participantes da Escola de Gestão Cultural Comunitária da Região Metropolitana de Santiago recebem certificados

Em 14, Maio 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Vinte e cinco representantes de organizações culturais comunitárias da Região Metropolitana de Santiago, no Chile, receberam seus diplomas após cumprirem os requisitos de frequência e participação na Escola de Gestão Cultural Comunitária, que se realizou de forma híbrida (presencial/virtual) de janeiro a março de 2022. A cerimônia de certificação decorreu no Palácio dos Álamos, em Santiago, no dia 14 de maio.

A iniciativa foi possível graças ao trabalho colaborativo entre a Mesa das Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana (Mesa OCCRM), a Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac) e o Programa Red Cultura do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, que realizaram este processo de formação em parceria com a Universidade de Guadalajara (México).

“Celebramos e parabenizamos esses espaços colaborativos que vêm para transformar a visão de culturas e artes, de organizações, cidadãos e territórios. Esse tipo de processo de formação em gestão cultural comunitária é importante porque os territórios são foco prioritário de desenvolvimento do país”, disse Alejandra Jiménez, secretária regional ministerial (seremi) de Culturas, Artes e Patrimônio da Região Metropolitana.

.

Roberto Guerra, fundador e presidente da Egac, corporação que realiza esta formação, lembra que se trata de um esforço permanente para melhorar as capacidades dos atores culturais comunitários, e que desta vez se materializa com uma escola de prestígio na área, como a Universidade de Guadalajara . “Estamos muito satisfeitos com este processo de elevada exigência técnica e profissional, que contribui para a melhoria das competências dos agentes culturais”, afirmou.

Foram três meses de aulas virtuais e presenciais, num total de 60 horas, abordando as questões de gestão cultural, gestão cultural comunitária, elaboração de projetos, registro e sistematização de experiências. Durante este período, os alunos visitaram experiências no campo, como o Museu a Céu Aberto de San Miguel, a Escola de Música Enrique Soro de Quilicura e o Teatro do Grande Circo da comuna de Santiago.

Segundo a professora Joliette Otárolaigo, os professores eram constantemente testados e desafiados pelos alunos, mas isso também foi muito satisfatório. “Percebemos que somos muitas e muitos que seguimos trabalhando pelas culturas comunitárias e que acreditamos na democratização de espaços para todos”, disse ela.

Jorge Molina, um dos participantes do treinamento, destacou que além de aprender os conceitos, foi possível aplicá-los diretamente em seu trabalho diário. “Esta escola contribuiu muito porque deu conceitos e palavras a coisas que antes não identificávamos. Na verdade, mudamos vários processos a partir do que foi discutido em aula”, disse o aluno, que há 12 anos é integrante do Teatro Bus, organização comunitária que trabalha através do teatro com crianças e jovens na Quinta Bella de Recoleta.

Para Nibaldo Flores, que integra a Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana, a Escola de Gestão Cultural Comunitária foi “um processo renovador” para essa articulação e um valioso espaço de encontro. “Foi importante não só para a formação, mas também para nos reencontrarmos e reconhecermos uns aos outros e os territórios”, disse, apelando à adesão de mais organizações culturais a esta instância.

.

Não foi um processo fácil, como destaca Vania Fernández, responsável pelo Componente Fortalecimento de Organizações Culturais Comunitárias do Programa Red Cultura da Seremi de Culturas da Região Metropolitana, promotor e articulador desta iniciativa. Foram muitos os entraves, inclusive a pandemia, o distanciamento social e a burocracia, mas era um anseio e uma demanda relevante do setor.

“Estávamos dispostos e certos de que tinha que ser feito e conseguimos realizar esta Escola de Gestão Cultural Comunitária. É por isso que destaco especialmente as organizações que participaram e concluíram o seu processo de formação. Os conteúdos adquiridos serão muito úteis ao disponibilizá-los em suas tarefas de trabalho territorial comunitário”, disse Fernández.

Cinquenta organizações de 23 comunas da Região Metropolitana foram selecionadas para fazer parte da Escola de Gestão Cultural Comunitária. Entre eles estavam centros culturais, grupos de promoção e desenvolvimento artístico, rádios e museus comunitários, grupos de defesa do patrimônio, trabalho com crianças, fantoches, entre outros.

.

.(Fonte: Ministério da Cultura, Artes e Patrimônio)

Tags | , ,

28

abr
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Organizações da Região do Atacama, no Chile, recebem certificação em gestão cultural comunitária

Em 28, abr 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

(Fotos: Camila Guerra)

O encerramento da Escola de Gestão Cultural Comunitária, que reuniu mais de 30 organizações da região do Atacama, no Chile, se deu no dia 24 de abril, na Estação Centro Cultural Caldera, com a entrega dos certificados. Esse processo formativo teve como objetivo fortalecer a capacidade de gestão das Organizações Culturais Comunitárias (OCC) para aprimorar seu trabalho com grupos e comunidades, além de aprofundar a noção de comunidade na cultura.

Na solenidade, Roberto Córdova, secretário regional de Culturas, reconheceu a importância das OCCs no desenvolvimento cultural local de seus territórios: “Essa importância está diretamente relacionada ao fortalecimento da cidadania, fruto dos processos de participação e manifestação de direitos culturais a partir das bases comunitárias”. Destacou, ainda, o valor do trabalho, com visão e identidade, realizado por instituições locais e regionais para a gestão e o fortalecimento da cultura, da arte e do património no território. Segundo ele, a Secretaria Ministerial Regional (Seremi) dará continuidade ao trabalho colaborativo com as OCCs de Atacama neste ano de 2022.

A Escola de Gestão Cultural Comunitária foi promovida pela Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região do Atacama. A instância de formação ficou a cargo da Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac), com financiamento do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio, por meio do programa Red Cultura do Departamento de Cidadania Cultural.

A atividade também contou com a presença da prefeita de Caldera, Brunilda González; o conselheiro regional Alex Ahumada, de Chañaral; o vereador de Freirina, Claudio Lazcano; e a conselheira regional Luz Lucero; além de representantes de OCCs de Chañaral, Huasco, Freirina, Copiapó, Caldera e Vallenar.

Cerca de 30 representantes de OCC participaram da Escola de Gestão Cultural Comunitária, que se realizou entre novembro de 2021 e abril de 2022, com financiamento do programa Red Cultura

.

Avaliações e aprendizados

Durante a atividade, as OCCs que participaram da capacitação em gestão cultural comunitária compartilharam suas avaliações e aprendizados, destacando a relevância das tarefas de gestão e planejamento no desenvolvimento de iniciativas culturais comunitárias, a associatividade entre organizações para estabelecer propostas de objetivos comuns para o desenvolvimento cultural local e a importância de articular relações de trabalho colaborativo com diferentes instituições públicas de cultura para influenciar os processos de participação e desenvolvimento local.

A União Comunitária de Grupos Culturais de Caldera apresentou a sua experiência de gestão cultural comunitária, focada na reativação e programação artística e cultural de artistas, grupos artísticos, OCC e grupos culturais, desenvolvendo iniciativas de dança, artesanato, literatura, teatro, circo e musicais, entre outros.

Essas experiências repercutiram no reconhecimento do trabalho sustentado da Mesa Regional OCC Atacama, destacando entre os participantes como essa instância vem ampliando sua participação nos espaços de trabalho em diferentes níveis locais e que esse modelo de gestão articula um conjunto coeso de organizações, fortalecendo processos de participação cidadã nas diferentes comunas da região.

.

  [Fonte: Ministério das Cultura, das Artes e do Patrimônio]

Tags | , , ,

19

fev
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile apresenta resultados do Registro Nacional de Agentes

Em 19, fev 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

O Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile lançou nesta sexta-feira, 18 de fevereiro, o informe “Agentes Culturais, Artísticos e Patrimoniais: caracterização e medição”, que detalha os principais resultados do Registro Nacional de Agentes Culturais, Artísticos e Patrimoniais. Este levantamento, realizado pela instituição entre 29 de junho e 10 de outubro de 2021, buscou aprofundar a informação sobre as pessoas e organizações que trabalham no campo da cultura no Chile.

 No total foram obtidas cerca de 25.000 respostas, 20.767 delas de pessoas físicas e 3.998 de organizações de todas as regiões do país, das mais diversas áreas culturais existentes e das múltiplas funções da cadeia de criação de bens e/ou e manifestações patrimoniais.

As principais áreas culturais identificadas, tanto para indivíduos como para organizações, foram Música, Artes Visuais e Artes Cênicas. A música foi a primeira opção mais mencionada pelos indivíduos (23,1%) e as Artes Cênicas pelas organizações (19,1%).

A maioria das pessoas e organizações declarou que as suas principais tarefas no ciclo do valor cultural são a criação, a interpretação ou a concepção de obras, bens e serviços; educação e formação artística, cultural e patrimonial; e produção de bens, serviços e eventos.

Em relação à dimensão territorial, a maioria das pessoas físicas e organizações registradas está localizada na Região Metropolitana, seguida pelas regiões de Valparaíso e Biobío.

.

Organizações

Das 3.998 organizações culturais registradas até 10 de outubro, 67% existem há menos de 10 anos. Ao considerar sua natureza jurídica, 77,2% possuem personalidade jurídica, destacando-se as organizações de direito privado com e sem fins lucrativos.

Do total de organizações, 87,8% têm entre 1 a 10 membros permanentes e, em média, têm um percentual maior de mulheres do que de homens. Esta composição é transversal às áreas e etapas do ciclo cultural, artístico e patrimonial, e também a cada uma das regiões do país.

Em relação às relações de trabalho, 63,4% dos que trabalham nas organizações do setor o fazem de forma remunerada, enquanto os outros 36,6% não recebem remuneração. Essa distribuição aumenta no caso de organizações não constituídas como pessoas jurídicas ou que se declarem pessoas jurídicas sob a figura de comunidades e associações indígenas ou sem fins lucrativos. Quando há remuneração envolvida, o tipo de colaboração mais difundido nas organizações é o dos autônomos, que nem sempre atuam em condição formal de trabalho.

O financiamento de organizações culturais, artísticas e patrimoniais registradas também é variado. As categorias mencionadas como mais importantes são, em primeiro lugar, recursos próprios, família ou amigos; financiamento público no segundo; e venda de bens e/ou serviços no terceiro.

Em termos gerais, 44,5% das organizações afirmam possuir alto grau de formalidade, 36,7% nível médio e 18,8% baixo grau de formalidade. O exposto mostra que, em geral, as organizações apresentam níveis de formalidade mais elevados do que as pessoas físicas. Nesse sentido, cabe destacar que existe uma relação positiva entre organizações que possuem alto grau de formalidade e condições de trabalho estáveis ​​para seus trabalhadores. De fato, nesse tipo de organização há um percentual médio de trabalhadores contratados ao abrigo do Código do Trabalho ou da Lei nº 19.889 mais elevado do que nas organizações com níveis mais baixos de formalidade.

.

Pessoas físicas

As 20.767 pessoas físicas cadastradas têm, em sua maioria, menos de 50 anos (66,7%), com predomínio do grupo entre 30 e 45 anos (51,5%). Em relação ao sexo registrado dos participantes, 53,6% são homens e 46,4% mulheres. A percentagem de homens é maior nas áreas industriais (como Música, Livro e Leitura e Audiovisual) e na Arquitetura, enquanto a percentagem de mulheres é maior nas áreas nucleares (Artes Cénicas, Artes Visuais e Ofícios), Design, Cultura comunitária e áreas ligada ao Património Cultural. Um dado que se destaca é que as pessoas inscritas geralmente possuem alto nível educacional, pois 85,9% tiveram acesso ao ensino superior (técnico, universitário ou pós-graduação).

Em relação à caracterização econômica e trabalhista das pessoas físicas, os dados mostram que 83,1% dos cadastrados são trabalhadores autônomos. A preponderância deste tipo de trabalho é transversal a todas as áreas culturais (especialmente Artesanato, Livro e Leitura e Património Cultural Imaterial), a todas as regiões e não faz distinção entre homens e mulheres. Adicionalmente, quatro em cada dez pessoas singulares registradas dedicam-se exclusivamente à cultura, artes e/ou património, enquanto seis em cada 10 pessoas (ou seja, a maioria) exercem outras funções que não a cultura.

O financiamento dos agentes culturais é variado e diversificado. Em primeiro lugar, há aqueles que utilizam recursos próprios, familiares ou amigos como principal fonte de financiamento; segundo, aqueles que recorrem ao financiamento público como principal fonte de financiamento; e, em terceiro lugar, aqueles que financiam a sua atividade através da venda de bens e/ou serviços culturais. Por sua vez, a prestação de serviços ao Estado como fonte de renda continua sendo uma prática pouco difundida entre as pessoas do setor, mas ocorre de forma mais intensa entre aqueles com mais anos de experiência.

Por outro lado, apenas duas em cada dez pessoas trabalham com altos níveis de formalidade, declarando que têm cobertura de saúde e previdência, ou emitem contas e/ou faturas regularmente.

Saiba mais sobre o relatório, o mapa interativo e as figuras:

Relatório dos Agentes Culturais, Artísticos e Patrimoniais: uma abordagem à sua caracterização e mensuração.

.

(Fonte: Ministério das Culturas, Artes e Património)

Tags |

02

nov
2021

Em Notícias

Por IberCultura

O comunitário na política cultural é o tema central do 5º Seminário “Comunidades, cultura e participação”

Em 02, nov 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Com o tema “Situação, perspectivas e desafios do comunitário na política cultural”, o 5º Seminário Comunidades, Cultura e Participação se realizá entre os dias 23 e 25 de novembro no Palacio Cousiño, em Santiago (Chile), alternando sessões presenciais e on-line. As inscrições já estão abertas para quem quiser participar, inclusive com palestras ou vídeos.

Impulsionado pela Escuela de Gestores y Animadores Culturales (Egac) desde 2017, o seminário tem por objetivo gerar um espaço para a análise, conceituação e problematização da noção do comunitário na cultura, numa perspectiva de visibilizar seus alcances e projeções no Chile atual. Também busca dar visibilidade a experiências que promovam, desde o espaço local e comunitário, a incidência para o desenvolvimento de políticas públicas de base comunitária.

O evento conta com o patrocínio da Municipalidade de Santiago, de IberCultura Viva e da Red Latinoamericana de Gestión Cultural (RedLG). Todas as atividades são gratuitas e abertas à comunidade.
.
Inscrições: http://egac.cl/

.

Tags | ,

10

ago
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Gestores culturais do Brasil e do Peru compartilham experiências com organizações comunitárias do Chile

Em 10, ago 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Sob a premissa de conhecer novas experiências e promover o intercâmbio cultural entre agentes de outras latitudes, a Mesa Regional de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) de Coquimbo, no Chile – realizada pelo programa Red Cultura, do Ministério das Culturas, Artes e Patrimônio –, teve a oportunidade de compartilhar experiências virtualmente com representantes da gestão cultural territorial latino-americana.

Um dos convidados foi Alexandre Santini, gestor cultural, dramaturgo e professor de Cultura e Territorialidades da Universidade Federal Fluminense, que falou sobre as políticas culturais locais do Brasil e os respectivos desafios dos tempos de pandemia. A outra apresentação ficou a cargo da companhia Vichama Teatro, cujos representantes discutiram detalhes de seus 38 anos de experiência trabalhando para gerar tecido social e pesquisa teatral em Villa El Salvador, na região metropolitana de Lima, no Peru.

Santini explicou que “é sempre muito interessante compartilhar experiências de gestão de políticas culturais de base comunitária, principalmente quando o objetivo é contribuir para a formulação e implementação de políticas públicas de organizações culturais comunitárias, como foi o caso desta conversa com agentes e gestores da Região de Coquimbo no Chile”.

Já o seremi (secretário ministerial regional) Francisco Varas disse que para o Ministério das Culturas é fundamental dotar as organizações comunitárias de recursos, ferramentas e experiências para o crescimento e o desenvolvimento do trabalho que realizam permanentemente com as comunidades. “Essa troca de experiências é vital para fortalecer o trabalho dos nossos vizinhos em matéria de gestão cultural, por isso estamos muito felizes com este espaço de crescimento e retroalimentação”, ressaltou.

Marcelo Saavedra, gestor cultural e diretor do espaço Molinos de Artes (Coquimbo), afirmou que é indispensável conhecer outras experiências, não porque sejam melhores ou piores, mas porque é fundamental trocar pontos de vista sobre a gestão cultural da comunidade. “Agradecemos à Red Cultura e a Seremi de las Culturas por gerarem esses espaços, pois assim podemos criar uma cultura mais viva e participativa em nossos territórios”, comentou.

Também participaram do encontro as seguintes organizações culturais comunitárias: Centro Cultural Vive Guanaqueros, Gestores del Choapa (Los Vilos), Colectivo de Artes Integradas Literario Kail (Los Vilos), Agrupación Cultural Margot Loyola (Tierras Blancas, Coquimbo) e Radio Comunitaria MinixFM (Diaguitas, Vicuña). A experiência se soma ao encontro online que a Mesa Regional do OCC realizou no mês passado com Ana Cachimuel, gestora cultural e representante da Associação de Mulheres Indígenas SinchiWarmi Kuna, do Equador.

Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio

Tags | , ,

14

jul
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile convida a participar do Registro Nacional de Agentes Culturais, Artísticos e Patrimoniais

Em 14, jul 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

(Texto e foto: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio)

.

O Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile convida os agentes culturais do país a se inscreverem no “Registro Nacional de Agentes Culturais, Artísticos e do Patrimônio: melhor informação, melhores políticas públicas para a cultura”. A iniciativa tem como principal objetivo obter informações atualizadas, válidas e confiáveis ​​sobre a situação do setor e seus diferentes subsetores nos níveis nacional, regional e municipal.

O cadastro faz parte do Plano de Caracterização de Agentes Culturais, Artísticos e Patrimoniais, do qual também faz parte o III Cadastro Nacional de Espaços Culturais, que já está em execução há algumas semanas.

A ministra das Culturas, Artes e Património, Consuelo Valdés, afirmou que “esta é uma política de Estado e um registro que visa dimensionar, identificar e caracterizar o setor de forma universal e inclusiva. Precisamos atualizar e obter o máximo de informação possível dos agentes culturais, artísticos e patrimoniais existentes no Chile, para que possamos desenhar e implementar melhores políticas públicas para esta área. Por isso a participação de todos é fundamental”. A autoridade acrescentou que “este projeto responde a uma demanda há muito esperada pela comunidade cultural, artística e patrimonial do país, que tem sido levantada pelas diversas organizações do setor em diferentes instâncias participativas”.

O cadastro vem para atualizar e aprofundar o Perfil de Cultura, base de dados de agentes e espaços que vem sendo realizada desde 2016 e que contém informações sobre todas as pessoas inscritas nas convocatórias da instituição. Este instrumento tem sido um dos principais insumos para a implementação de programas e iniciativas ministeriais nos últimos cinco anos.

No entanto, é necessário um instrumento único que forneça mais e melhores dados sobre o setor, de forma a atingir as organizações, agentes e trabalhadores/as culturais que ainda não foram contabilizados. O registro também aprofunda as informações perguntando sobre dados de identificação e localização; a atividade cultural, artística e patrimonial desenvolvida e o meio em que é realizada; emprego, saúde e situação previdenciária, entre outras questões.

.

Quem pode participar?

Podem participar do registro aqueles que se consideram ou se identificam como agentes culturais, artísticos e/ou patrimoniais, sejam organizações, criadores, artistas e/ou trabalhadores e trabalhadoras culturais, incluindo todas as disciplinas artísticas e todos os elos do ciclo cultural (criação, produção, marketing, mediação, educação, etc.). A ideia é também atingir atores sobre os quais o ministério tem pouca ou nenhuma informação.

Para se inscrever, deve-se responder a um questionário com cerca de 50 questões (é preciso escolher entre duas opções de formulários: para pessoas físicas e pessoas jurídicas), que se encontram disponíveis em www.cultura.gob.cl/registroagentes. Dúvidas ou consultas devem ser enviadas ao e-mail consultationsregistro@cultura.gob.cl. As inscrições podem ser feitas até o final de setembro.

O questionário também estará disponível em breve em línguas dos povos indígenas (Rapa Nui, Mapudungun e Aymara). É importante mencionar que o formulário foi desenvolvido e construído de forma participativa com representantes e sindicatos do setor.

.

Cadastro Nacional de Espaços Culturais

Este instrumento é um sistema de cadastramento de espaços públicos e privados de uso cultural, artístico e/ou patrimonial em funcionamento em todo o território nacional e que contam com planejamento anual. A coleta de informações será realizada entre junho e setembro de 2021 por entrevistadores com experiência em coleta de dados (Consultor Pragmac), que entrarão em contato com os responsáveis ​​pelos espaços para aplicar o questionário presencial ou virtualmente, conforme permitido pelas circunstâncias sanitárias. Esta é a terceira versão deste cadastro, a última foi realizada em 2014.

Tags |