Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.EPara o Topo

Arquivos OCC - IberCultura Viva

26

Maio
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile abre edital para financiar iniciativas de organizações culturais comunitárias

Em 26, Maio 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Desenvolver ações associativas entre organizações culturais comunitárias (OCC), financiar programação artística e cultural local ou implementar um plano de equipamentos para o desenvolvimento de atividades serão algumas das iniciativas contempladas na Convocatória para Financiamento de Iniciativas Culturais Comunitárias (FICC) 2022, que o Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, por meio do programa Red Cultura do Departamento de Cidadania Cultural, abriu nesta segunda-feira, 23 de maio.

“Apoiar as organizações locais é uma prioridade para o nosso governo. Queremos fortalecer e continuar a abrir espaços de participação e incidência na gestão cultural que se realiza nos territórios, apoiar iniciativas artísticas e culturais – através de uma visão intercultural – que favoreçam a inclusão social e a identidade das comunidades”, afirma a ministra das Culturas, das Artes e do Patrimônio, Julieta Brodsky Hernández.

Segundo a ministra, “esta convocatória de 2022 representa a transição do trabalho feito até agora através da Red Cultura para o novo programa Puntos de Cultura, que será ajustado e dará ênfase às demandas e exigências das organizações comunitárias”.

(Foto: Centro Cultural El Cahuin de Molina)

.

Este ano, o edital conta com uma nova linha de apoio que permitirá financiar pesquisas relacionadas à cultura comunitária, com o objetivo de conhecer experiências territoriais, ou que se refiram ao desenvolvimento de políticas de base comunitária. Em outra linha de apoio, também pode ser financiada a aquisição de insumos e equipamentos.

“Através do trabalho conjunto buscamos aliviar e facilitar a construção de identidades culturais territoriais. Queremos tornar visível a forma como se expressam. Não acreditamos que a cultura seja algo que deva ser entregue, mas, ao contrário, acreditamos que as expressões culturais surgem das próprias comunidades e dialogam com o resto do país, dando vida ao que chamamos de Democracia Cultural ”, destaca Julieta Brodsky.

O orçamento total estimado para este edital é de 630 milhões de pesos chilenos (cerca de 754 mil dólares). De acordo com as linhas de candidatura, os montantes para financiar as iniciativas variam entre 3 milhões e 10 milhões de pesos. As inscrições estarão abertas até 5 de julho de 2022, às 17h (horário de Santiago do Chile).

.

Linhas de apoio

1.Linha de Ativação Artística e Cultural da Comunidade

Modalidade de trabalho em rede nos territórios: Busca fortalecer as redes associativas de intercâmbio, colaboração, cooperação e reciprocidade entre OCC, por meio de ações voltadas à promoção da gestão cultural comunitária de todas em conjunto.

Modalidade de iniciativas artísticas comunitárias: Tem como objetivo financiar iniciativas que fortaleçam a programação artística cultural junto à comunidade e ao território de origem da OCC postulante.

2. Linha de Fortalecimento de Organizações Culturais Comunitárias 

Procura apoiar o fortalecimento e consolidação das OCCs territoriais através da complementaridade da programação artística cultural e com a comunidade onde está inserida, quer no domínio da gestão cultural comunitária, quer nas suas atividades de promoção e ativação do tecido social comunitário.

3. Linha de Implementação para Organizações Culturais Comunitárias 

Esta linha destina-se a financiar a aquisição de insumos e equipamentos para as OCCs ativas, com personalidade jurídica. A implementação financiada deve apoiar as atividades artísticas da OCC, permitindo a incorporação de novas atividades ou ampliando o repertório de expressões artísticas voltadas para a comunidade local.

4. Linha de Acervo Documental sobre Cultura Comunitária

Busca contribuir com pesquisas relacionadas a questões relacionadas à cultura comunitária, incentivando a elaboração de textos que promovam o reconhecimento e valorização das organizações comunitárias culturais e sua contribuição para a construção de uma sociedade diversificada e atuante.

.

Quem pode se candidatar?

Podem candidatar-se organizações culturais comunitárias que contribuam para a integração social e para o fortalecimento da identidade e diversidade cultural do seu território local. Podem ter ou não personalidade jurídica, com exceção da Linha de Implementação de Organizações Culturais Comunitárias, em que é obrigatório ter personalidade jurídica válida.

Pessoas físicas com experiência em gestão cultural comunitária ou publicações sobre cultura comunitária podem candidatar-se à Linha Acervo Documental sobre Cultura Comunitária.

.

Consultas

Dúvidas podem ser feitas para o e-mail redcultura@cultura.gob.cl

.

Como se inscrever?

Você só pode se inscrever digitalmente enviando um e-mail para summons.redcultura@cultura.gob.cl. Não serão aceitas inscrições pessoalmente ou por carta registrada.

.

Prazo de inscrição

De 23 de maio a 5 de julho de 2022.

.

Confira o regulamento

.

Leia também:

Ministerio de las Culturas anuncia apertura de convocatoria para apoyar y financiar iniciativas de Organizaciones Culturales Comunitarias

..

(Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio)

Tags | , ,

14

Maio
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Participantes da Escola de Gestão Cultural Comunitária da Região Metropolitana de Santiago recebem certificados

Em 14, Maio 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Vinte e cinco representantes de organizações culturais comunitárias da Região Metropolitana de Santiago, no Chile, receberam seus diplomas após cumprirem os requisitos de frequência e participação na Escola de Gestão Cultural Comunitária, que se realizou de forma híbrida (presencial/virtual) de janeiro a março de 2022. A cerimônia de certificação decorreu no Palácio dos Álamos, em Santiago, no dia 14 de maio.

A iniciativa foi possível graças ao trabalho colaborativo entre a Mesa das Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana (Mesa OCCRM), a Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac) e o Programa Red Cultura do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, que realizaram este processo de formação em parceria com a Universidade de Guadalajara (México).

“Celebramos e parabenizamos esses espaços colaborativos que vêm para transformar a visão de culturas e artes, de organizações, cidadãos e territórios. Esse tipo de processo de formação em gestão cultural comunitária é importante porque os territórios são foco prioritário de desenvolvimento do país”, disse Alejandra Jiménez, secretária regional ministerial (seremi) de Culturas, Artes e Patrimônio da Região Metropolitana.

.

Roberto Guerra, fundador e presidente da Egac, corporação que realiza esta formação, lembra que se trata de um esforço permanente para melhorar as capacidades dos atores culturais comunitários, e que desta vez se materializa com uma escola de prestígio na área, como a Universidade de Guadalajara . “Estamos muito satisfeitos com este processo de elevada exigência técnica e profissional, que contribui para a melhoria das competências dos agentes culturais”, afirmou.

Foram três meses de aulas virtuais e presenciais, num total de 60 horas, abordando as questões de gestão cultural, gestão cultural comunitária, elaboração de projetos, registro e sistematização de experiências. Durante este período, os alunos visitaram experiências no campo, como o Museu a Céu Aberto de San Miguel, a Escola de Música Enrique Soro de Quilicura e o Teatro do Grande Circo da comuna de Santiago.

Segundo a professora Joliette Otárolaigo, os professores eram constantemente testados e desafiados pelos alunos, mas isso também foi muito satisfatório. “Percebemos que somos muitas e muitos que seguimos trabalhando pelas culturas comunitárias e que acreditamos na democratização de espaços para todos”, disse ela.

Jorge Molina, um dos participantes do treinamento, destacou que além de aprender os conceitos, foi possível aplicá-los diretamente em seu trabalho diário. “Esta escola contribuiu muito porque deu conceitos e palavras a coisas que antes não identificávamos. Na verdade, mudamos vários processos a partir do que foi discutido em aula”, disse o aluno, que há 12 anos é integrante do Teatro Bus, organização comunitária que trabalha através do teatro com crianças e jovens na Quinta Bella de Recoleta.

Para Nibaldo Flores, que integra a Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana, a Escola de Gestão Cultural Comunitária foi “um processo renovador” para essa articulação e um valioso espaço de encontro. “Foi importante não só para a formação, mas também para nos reencontrarmos e reconhecermos uns aos outros e os territórios”, disse, apelando à adesão de mais organizações culturais a esta instância.

.

Não foi um processo fácil, como destaca Vania Fernández, responsável pelo Componente Fortalecimento de Organizações Culturais Comunitárias do Programa Red Cultura da Seremi de Culturas da Região Metropolitana, promotor e articulador desta iniciativa. Foram muitos os entraves, inclusive a pandemia, o distanciamento social e a burocracia, mas era um anseio e uma demanda relevante do setor.

“Estávamos dispostos e certos de que tinha que ser feito e conseguimos realizar esta Escola de Gestão Cultural Comunitária. É por isso que destaco especialmente as organizações que participaram e concluíram o seu processo de formação. Os conteúdos adquiridos serão muito úteis ao disponibilizá-los em suas tarefas de trabalho territorial comunitário”, disse Fernández.

Cinquenta organizações de 23 comunas da Região Metropolitana foram selecionadas para fazer parte da Escola de Gestão Cultural Comunitária. Entre eles estavam centros culturais, grupos de promoção e desenvolvimento artístico, rádios e museus comunitários, grupos de defesa do patrimônio, trabalho com crianças, fantoches, entre outros.

.

.(Fonte: Ministério da Cultura, Artes e Patrimônio)

Tags | , ,

28

abr
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Organizações da Região do Atacama, no Chile, recebem certificação em gestão cultural comunitária

Em 28, abr 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

(Fotos: Camila Guerra)

O encerramento da Escola de Gestão Cultural Comunitária, que reuniu mais de 30 organizações da região do Atacama, no Chile, se deu no dia 24 de abril, na Estação Centro Cultural Caldera, com a entrega dos certificados. Esse processo formativo teve como objetivo fortalecer a capacidade de gestão das Organizações Culturais Comunitárias (OCC) para aprimorar seu trabalho com grupos e comunidades, além de aprofundar a noção de comunidade na cultura.

Na solenidade, Roberto Córdova, secretário regional de Culturas, reconheceu a importância das OCCs no desenvolvimento cultural local de seus territórios: “Essa importância está diretamente relacionada ao fortalecimento da cidadania, fruto dos processos de participação e manifestação de direitos culturais a partir das bases comunitárias”. Destacou, ainda, o valor do trabalho, com visão e identidade, realizado por instituições locais e regionais para a gestão e o fortalecimento da cultura, da arte e do património no território. Segundo ele, a Secretaria Ministerial Regional (Seremi) dará continuidade ao trabalho colaborativo com as OCCs de Atacama neste ano de 2022.

A Escola de Gestão Cultural Comunitária foi promovida pela Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região do Atacama. A instância de formação ficou a cargo da Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac), com financiamento do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio, por meio do programa Red Cultura do Departamento de Cidadania Cultural.

A atividade também contou com a presença da prefeita de Caldera, Brunilda González; o conselheiro regional Alex Ahumada, de Chañaral; o vereador de Freirina, Claudio Lazcano; e a conselheira regional Luz Lucero; além de representantes de OCCs de Chañaral, Huasco, Freirina, Copiapó, Caldera e Vallenar.

Cerca de 30 representantes de OCC participaram da Escola de Gestão Cultural Comunitária, que se realizou entre novembro de 2021 e abril de 2022, com financiamento do programa Red Cultura

.

Avaliações e aprendizados

Durante a atividade, as OCCs que participaram da capacitação em gestão cultural comunitária compartilharam suas avaliações e aprendizados, destacando a relevância das tarefas de gestão e planejamento no desenvolvimento de iniciativas culturais comunitárias, a associatividade entre organizações para estabelecer propostas de objetivos comuns para o desenvolvimento cultural local e a importância de articular relações de trabalho colaborativo com diferentes instituições públicas de cultura para influenciar os processos de participação e desenvolvimento local.

A União Comunitária de Grupos Culturais de Caldera apresentou a sua experiência de gestão cultural comunitária, focada na reativação e programação artística e cultural de artistas, grupos artísticos, OCC e grupos culturais, desenvolvendo iniciativas de dança, artesanato, literatura, teatro, circo e musicais, entre outros.

Essas experiências repercutiram no reconhecimento do trabalho sustentado da Mesa Regional OCC Atacama, destacando entre os participantes como essa instância vem ampliando sua participação nos espaços de trabalho em diferentes níveis locais e que esse modelo de gestão articula um conjunto coeso de organizações, fortalecendo processos de participação cidadã nas diferentes comunas da região.

.

  [Fonte: Ministério das Cultura, das Artes e do Patrimônio]

Tags | , , ,

10

ago
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Gestores culturais do Brasil e do Peru compartilham experiências com organizações comunitárias do Chile

Em 10, ago 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Sob a premissa de conhecer novas experiências e promover o intercâmbio cultural entre agentes de outras latitudes, a Mesa Regional de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) de Coquimbo, no Chile – realizada pelo programa Red Cultura, do Ministério das Culturas, Artes e Patrimônio –, teve a oportunidade de compartilhar experiências virtualmente com representantes da gestão cultural territorial latino-americana.

Um dos convidados foi Alexandre Santini, gestor cultural, dramaturgo e professor de Cultura e Territorialidades da Universidade Federal Fluminense, que falou sobre as políticas culturais locais do Brasil e os respectivos desafios dos tempos de pandemia. A outra apresentação ficou a cargo da companhia Vichama Teatro, cujos representantes discutiram detalhes de seus 38 anos de experiência trabalhando para gerar tecido social e pesquisa teatral em Villa El Salvador, na região metropolitana de Lima, no Peru.

Santini explicou que “é sempre muito interessante compartilhar experiências de gestão de políticas culturais de base comunitária, principalmente quando o objetivo é contribuir para a formulação e implementação de políticas públicas de organizações culturais comunitárias, como foi o caso desta conversa com agentes e gestores da Região de Coquimbo no Chile”.

Já o seremi (secretário ministerial regional) Francisco Varas disse que para o Ministério das Culturas é fundamental dotar as organizações comunitárias de recursos, ferramentas e experiências para o crescimento e o desenvolvimento do trabalho que realizam permanentemente com as comunidades. “Essa troca de experiências é vital para fortalecer o trabalho dos nossos vizinhos em matéria de gestão cultural, por isso estamos muito felizes com este espaço de crescimento e retroalimentação”, ressaltou.

Marcelo Saavedra, gestor cultural e diretor do espaço Molinos de Artes (Coquimbo), afirmou que é indispensável conhecer outras experiências, não porque sejam melhores ou piores, mas porque é fundamental trocar pontos de vista sobre a gestão cultural da comunidade. “Agradecemos à Red Cultura e a Seremi de las Culturas por gerarem esses espaços, pois assim podemos criar uma cultura mais viva e participativa em nossos territórios”, comentou.

Também participaram do encontro as seguintes organizações culturais comunitárias: Centro Cultural Vive Guanaqueros, Gestores del Choapa (Los Vilos), Colectivo de Artes Integradas Literario Kail (Los Vilos), Agrupación Cultural Margot Loyola (Tierras Blancas, Coquimbo) e Radio Comunitaria MinixFM (Diaguitas, Vicuña). A experiência se soma ao encontro online que a Mesa Regional do OCC realizou no mês passado com Ana Cachimuel, gestora cultural e representante da Associação de Mulheres Indígenas SinchiWarmi Kuna, do Equador.

Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio

Tags | , ,

28

Maio
2021

Em Notícias

Por IberCultura

“Registro de iniciativas culturais comunitárias” reúne histórias da Região Metropolitana do Chile: uma ideia a replicar

Em 28, Maio 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Há um ano, os membros da Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana (Mesa OCCRM), do Chile, decidiram convocar as OCCs da região para fazer algo que nunca haviam feito antes: contar suas histórias, documentar o que faziam em seus territórios, mostrar que existiam. O projeto, realizado com o apoio do Programa Rede Cultura da Secretaria Regional das Culturas, Artes e Patrimônio, resultou no livro “Registro de iniciativas culturais comunitárias – Região Metropolitana”, lançado em encontro por videoconferência na última quarta-feira dia 26 de maio. 

A publicação reúne, em 176 páginas, um total de 76 organizações e iniciativas culturais comunitárias da Região Metropolitana de Santiago, pertencentes a 27 das 52 comunas que a constituem. Os temas de trabalho são os mais variados, vão desde circo, reciclagem e pintura mural até trabalho com crianças, jovens e mulheres, promoção de direitos, animação cultural de bairro, pesquisa e gestão cultural, entre outros. Na parte final do livro foi incorporado um mapa com a localização territorial de cada uma delas, disponível em sua versão interativa no site www.mesaoccrm.cl.

O lançamento se deu numa das sessões do 6º Encontro de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana. Estavam presentes o coordenador da edição, Roberto Guerra Veas, fundador da Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac); o designer gráfico Alfredo Chuquimia; Camila Garrido, Vania Fernández e Marianela Riquelme, profissionais do programa Red Cultura; Esther Hernández Torres (México), presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, e integrantes de organizações que participam da Mesa de OCC da Região Metropolitana. 

Quatro das organizações presentes no livro se apresentaram neste encontro virtual: Elizabeth Guzmán falou sobre a Escola de Títeres de Lo Espejo; Ruben Berrios, do Grupo Perú Danza; Diana Catani, da Corporación Cultural Teatro Bus Chile; Rosa Luz Vargas, da Ebano y Marfil. A moderação esteve a cargo de Melanie Bustos Alveal, representante da organização La Joya Mosaico. 

Um desejo cumprido

Na abertura do encontro, Camila Garrido, representante do programa Red Cultura, felicitou os representantes da Mesa OCCRM e falou da emoção ao ver o texto, depois de quatro anos de trabalho conjunto em prol do fortalecimento de OCCs para a região. “Havia um desejo de que isso acontecesse, de que esse registro fosse gerado. É muito gratificante ser testemunha deste acontecimento”, comemorou. “Há um ano, quando esse projeto surgiu da mesa, o objetivo técnico era a auto-observação, mas esse foi um pretexto para poder acompanhar, colaborar, se encontrar com as OCCs que estavam no território.”

Segundo Camila, a estratégia era dar visibilidade cultural ao trabalho das organizações, mas havia algo mais: era preciso dar cara, nomes e pele às organizações que distribuíam refeições, coordenavam a entrega de caixas de mercadorias, realizavam bingo, rifas, para ajudar um vizinho com problemas de saúde. “A cultura comunitária acaba sendo um bálsamo nesses momentos difíceis e dolorosos. É uma forma de se conectar com a memória e a resistência”, destacou. Para ela, este registro não é apenas um marco regional, mas também nacional, “uma prática que vale a pena imitar nas várias regiões e comunas do país”, pois sistematizar o que se faz é uma forma de ficar no tempo, uma forma de transcender.

Vania Fernández, outra representante do Red Cultura na região, também expressou a emoção de ver a concretização deste projeto, que “mostra que o trabalho cultural comunitário vai além de se candidatar a fundos públicos”. “Essas organizações trabalham pela construção de uma sociedade que garanta os direitos culturais. Elas trabalham de forma autônoma, se preocupam em empoderar seus pares, se associam, buscam maneiras de sobreviver. (…) Quando começam a deixar de se olhar e passam a olhar para o outro, quando encontram nas expressões artísticas a forma de estimular suas vidas e de todo o seu entorno, é aí que as comunidades começam a crescer. Este registro nos mostra 76 histórias, 76 sonhos, 76 lutas de ativismo territorial.”

Uma experiência inspiradora

Esther Hernández Torres, diretora geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura do México e presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, representou o programa no encontro e comentou a emoção transmitida pelos membros da Mesa OCC ao ver materializado este trabalho. “As histórias que vêm das organizações são realmente empolgantes e inspiradoras”, disse ela. Além de parabenizá-los pela edição e pelo complexo trabalho de sistematização (“que eles conseguiram fazer muito bem”), destacou a importância da experiência e do trabalho que as organizações de base realizam quando se articulam nas políticas culturais. 

“Passamos por tempos muito difíceis e nós que gerenciamos políticas de base comunitária nos preocupamos com a necessidade de presença, de território. E quando pensávamos que não podíamos fazer mais nada, as organizações nos surpreendem com redes de solidariedade, sendo agentes de mudança em seus lugares de origem. Agentes que buscam o bem-estar coletivo por meio da arte, da cultura, de suas próprias linguagens, para se manterem vivos. O fato de o trabalho comunitário, em vez de cair como muitos de nós temíamos, ter criado todas essas possibilidades com mais força, é algo que dá muita esperança e que é preciso compartilhar ”, destacou a presidenta do IberCultura Viva.

Para Esther Hernández, a publicação é uma fonte de inspiração para organizações de outras latitudes, de outras partes da Ibero-América, e demonstra a vitalidade da cultura comunitária. “Adorei o que Camila disse: que a cultura da comunidade é um bálsamo em momentos de dor. Sim, é um bálsamo nos momentos difíceis, mas também nos momentos de confiança, de encontro, de alegria. E nos momentos de raiva, de memória, de lembrar por que estamos aqui, por que agimos e por que é cada vez mais necessário trabalharmos juntos, em solidariedade, em redes”, afirmou. 

Sete meses de trabalho editorial

Roberto Guerra Veas, responsável pela coordenação editorial, destacou que as organizações culturais comunitárias são um dos atores mais dinâmicos do setor cultural chileno, estando presentes de uma ponta a outra do país, “de Putre a Puerto Williams”. “Também na nossa região, no conjunto de comunas, elas dizem presente. E têm feito isso desde sempre, desde antes de o ministério existir, e elas estão dizendo presente agora. Nestes tempos complexos, elas se comprometeram a acompanhar seus grupos e comunidades, estão se organizando, ativando, gerando espaços de participação. Aonde o Estado não chega e o mercado não se interessa, aí estão as organizações culturais comunitárias”, comentou. 

Segundo o fundador da Egac, o projeto do livro surgiu a partir de duas das principais demandas que as organizações de base regularmente levantam: que seu trabalho tenha mais visibilidade e seja reconhecido. “Este registro é um presente que damos a nós mesmos e que compartilhamos com todos. O livro nos permite mostrar que existimos, que há processos de ativação e reconhecimento aqui, que há iniciativas que estão fazendo algo que ninguém mais está fazendo, que há um festival de teatro de bonecos que une a população, que estão criando ‘panelas comuns’, que estão pintando murais de forma colaborativa e associativa … Há um valor fundamental aí”, disse, apontando a necessidade de o Estado responder à demanda constante das organizações por um maior reconhecimento, por ter políticas públicas específicas e deixar de ser “os parentes pobres” nas políticas culturais. 

A publicação levou sete meses “intensos” de trabalho e também serviu para lembrar às organizações a necessidade de as organizações prestarem a devida atenção aos processos de registro e documentação de suas práticas. “Isso não é secundário. É importante organizar as informações, documentar o que está sendo feito, ter arquivos, ter fotos que falam bem do seu trabalho”, observou Guerra. “Com informações organizadas, você pode avançar nos processos de sistematização, compartilhar uma experiência. Nesse caso, compartilhar o trabalho de 76 organizações é como tirar uma foto. No outono de 2021, esta é uma foto do setor cultural comunitário que ficará para a história.”

O processo de seleção

Na apresentação do livro, explica-se que o projeto teve início com uma convocatória dirigida a organizações, coletivos e projetos culturais comunitários e sem fins lucrativos, denominados “iniciativas”, que, independentemente da sua natureza jurídica, realizam seu trabalho em qualquer uma das 52 comunas da Região Metropolitana de Santiago. Era necessário ter no mínimo três anos de funcionamento. Concluído o período de registro, foram recebidas 90 postulações de 28 comunas da capital chilena.

A avaliação das iniciativas ficou a cargo de um comitê formado pela Mesa OCCRM e o programa Red Cultura, considerando os critérios de associatividade, trajetória e experiência, abrangência e participação nos encontros regionais de OCCs. As 69 que completaram satisfatoriamente todo o processo juntaram-se às 7 organizações que faziam parte da Mesa OCCRM, completando o total de 76 iniciativas presentes no texto.

Onde baixar a publicação: www.egac.cl

Veja o vídeo do lançamento: https://www.facebook.com/egaccultura/videos/147737554039890

Tags | ,

28

Maio
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Programa Red Cultura disponibiliza uma cartografia cultural da região de Tarapacá, no Chile

Em 28, Maio 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Para tornar visível e valorizar a contribuição à cultura da comunidade organizada, em coordenação com os/as agentes culturais locais, o programa Red Cultura da região de Tarapacá, em Chile, disponibiliza um mapa georreferenciado dos espaços culturais, da secretaria municipal de cultura das 7 comunas pertencentes a esta região e de 29 organizações culturais comunitárias das comunas de Pica, Huara, Iquique, Alto Hospicio e Pozo Almonte.

Com o objetivo de contribuir para a continuidade e sobrevivência dos agentes culturais do território e de suas estruturas sociais, bem como para fortalecer a articulação da comunidade, os diferentes agentes e instituições culturais foram convocados a participar da configuração de uma ferramenta de planejamento de apoio para a geração de novas fontes de financiamento e que, de alguma forma, permitam reativar, reencantar e/ou formar um novo e fortalecido vínculo com as comunidades e públicos aos quais dirigem suas atividades.

Diversas atividades, em sua maioria virtuais, foram desenvolvidas para identificar o patrimônio cultural regional e gerar pontos de contato georreferenciados e informações para esse mapeamento cultural regional. Destacam-se os seis Encontros Participativos: dois com agentes culturais municipais, dois com responsáveis ​​pelos espaços culturais e dois com representantes de organizações culturais comunitárias e com o apoio dos grupos de trabalho que se estabelecem com as contrapartes territoriais do programa Red Cultura.

A iniciativa busca ser um palco para essas e outras OCCs da região, a fim de informar a comunidade sobre sua existência e as atividades que realizam para ativar os territórios e ampliar o repertório de iniciativas culturais comunitárias.

A região de Tarapacá está localizada no norte do Chile, na fronteira com a Bolívia, a quase 2.000 quilômetros da cidade de Santiago. Até 20 anos atrás era também constituída pela região de Arica e Parinacota, na fronteira com o Peru e a Bolívia, possuindo um alto percentual de população migrante. É reconhecida por seu planalto e localidades rurais ricas em história paleolítica de geoglifos, pinturas rupestres e pictoglifos de várias datas e, principalmente, por suas obras de nitrato declaradas Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Texto: Coordinación nacional del componente OCC – Red Cultura/ Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio de Chile

Conheça o mapa:

https://www.google.com/maps/d/u/0/viewer?ll=-18.449926969621405%2C-70.07813369388832&z=7&mid=1qxpbMuOaPrEId2IEvfg5CF8pBwK3ICrZ

Tags | ,

26

nov
2020

Em Notícias

Por IberCultura

No Chile, organizações culturais comunitárias da região de Tarapacá se reúnem para um balanço anual 

Em 26, nov 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

Os encontros comunais online na Região de Tarapacá, no Chile — organizados pelo Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, através do programa Red Cultura —, foram a ocasião indicada para apresentar as cápsulas audiovisuais que recolhem depoimentos de integrantes de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) de Huara, Pozo Almonte, Pica, Alto Hospicio e Iquique. Os vídeos mostraram o que essas organizações desenvolveram durante este ano e ao longo de suas trajetórias, emocionando os participantes, que pela primeira vez puderam ver o resultado final do trabalho realizado em equipe. 

“Essas agrupações puderam contar algumas das coisas que realizam em suas comunas e mostrar o aporte que são para a região. É justamente disso que se trata esta iniciativa, de que exista um trabalho onde todas as organizações, com suas respectivas especialidades, somem experiências e esforços para difundir a cultura no território”, afirmou a secretária regional ministerial (Seremi) das Culturas, das Artes e do Patrimônio de Tarapacá, Laura Díaz.

O material audiovisual foi reunido durante o Plano Regional de Formação em Gestão Cultural e Sustentabilidade — entre setembro e os primeiros dias deste mês —, quando os integrantes das OCC, junto a uma equipe de produção, criaram os roteiros e gravaram as cápsulas, que permitem mostrar o trabalho feito a favor da promoção e da preservação cultural. Os vídeos serão publicados em breve no Repositório Digital do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio.

Avaliação e georreferenciamento

Durante os encontros, as pessoas participantes também puderam avaliar as instâncias formativas do programa Red Cultura na região, assim como realizar o levantamento de informação para a elaboração de uma cartografia cultural regional, tanto das OCC que participam do programa como de espaços culturais que conformam a rede regional e os municípios que contam com departamentos de Cultura e têm um Plano Municipal de Cultura (PMC) atualizado.

Em cada um dos encontros virtuais, membros dessas organizações fizeram parte da consulta que uma equipe de profissionais desenvolve para elaborar a georreferenciação e cartografia dos agentes culturais da região. Foi assim que o estudo permitiu guiar os participantes na identificação dos ativos culturais de cada comuna, os quais, após ser submetidos a votação, foram georreferenciados.

As Organizações Culturais Comunitárias participantes se caracterizam não apenas por reunir pessoas de distintos grupos etários, mas também por se tratarem de agrupações de cidadãos migrantes com ativa participação na região.

Tags | , ,

05

nov
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile publica informe do Segundo Encontro Nacional de OCC

Em 05, nov 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

O Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, através do programa Red Cultura do Departamento Cidadania Cultural, publicou nesta quarta-feira 4 de novembro o informe do Segundo Encontro Nacional de Organizações Culturais Comunitárias, organizado pela Subsecretaria das Culturas e das Artes. A atividade foi realizada em setembro de 2019 na localidade de El Molle, comuna de Vicuña, Região de Coquimbo.

A publicação contém um relato dos dois encontros realizados e uma análise das metodologias utilizadas, os comentários e conteúdos do segundo encontro. Também conta com um informe adicional que contém os anexos associados aos reportes de apoio metodológico, instrumentos de análise e informes de observadores internos e externos.

O encontro buscou ser um espaço de diálogo, intercâmbio e aportes para avançar na definição de matérias relevantes para o fortalecimento de OCC em seu papel de ativação territorial e para que sejam parte reconhecida das estruturas de governança cultural em suas comunas. Reuniram-se  mais de 100 pessoas, representantes de OCC de todas as regiões do país. 


Para baixar o documento:

https://repositorio.cultura.gob.cl/handle/123456789/5531

 

Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio de Chile 

 

Tags | ,

30

set
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile abre convocatória para o fortalecimento de organizações culturais comunitárias 

Em 30, set 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

O Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, através do programa Red Cultura, abriu nesta terça-feira 29 a Convocatória 2020 para o Fortalecimento de Organizações Culturais Comunitárias (OCC), destinada a apoiar iniciativas em três modalidades: Diagnóstico e fortalecimento interno da OCC e sua comunidade, Articulação de redes nos territórios, e Iniciativas de apoio e contenção social a partir do trabalho cultural comunitário.

O montante disponível é de 170 milhões de pesos chilenos, que permitirá entregar recursos de até 3 milhões de pesos a cada iniciativa selecionada, e de 1 milhão e meio de pesos como mínimo. Haverá um prazo de cinco meses para concretizá-la.

O objetivo desta convocatória é conceder financiamento a iniciativas postuladas por organizações culturais comunitárias, com ou sem personalidade jurídica, sem fins lucrativos, que permitam sustentar espaços de participação, intercâmbio, integração, criação artística e comunitária no contexto da emergência. O prazo de inscrição se encerra em 21 de outubro, às 17h (hora local).

 

Modalidades

1 – Diagnóstico e fortalecimento interno da OCC e sua comunidade (Intra-OCC)

O objetivo desta modalidade é apoiar a gestão da organização cultural comunitária através de um processo grupal de trabalho autoavaliativo interno que traga como resultado uma proposta de fortalecimento do vínculo da OCC com a comunidade, que lhes permita manter e/ou potenciar espaços de participação. Equipe: mínimo de 3 pessoas.

 

2 – Articulação em redes nos territórios (Inter-OCC)

O objetivo desta modalidade é apoiar a gestão das organizações culturais comunitárias postulantes, através do financiamento de uma iniciativa que considere processos de trabalho grupal autoavaliativo e que traga como resultado uma proposta associativa de fortalecimento do vínculo das OCC com a comunidade, que lhes permita manter e/ou potenciar espaços de participação. A equipe mínimo é de 3 pessoas/ 3 OCC.

3 – Iniciativas de apoio e contenção social a partir do trabalho cultural comunitário (Extra-OCC)

A modalidade contempla iniciativas criadas por uma ou mais OCC para a difusão e/ou criação de material digital ou virtual, que conte com a participação de artistas locais e/ou artistas educadores pertencentes à/às OCC participantes, ou aos territórios de pertencimento delas. Equipe mínimo sugerida: 3 pessoas.

 

Concursabilidade

Na elaboração do regulamento foram considerados os antecedentes aportados pelas Organizações Culturais Comunitárias durante os encontros regionais e nacionais organizados pelo Departamento Cidadania Cultural através do programa Red Cultura. Foram levadas em conta as dificuldades de conexão, as possíveis complexidades das postulações online e a falta de retribuição econômica às pessoas responsáveis das iniciativas.

Por esse motivo, o atual processo de inscrição não requererá registro no Perfil Cultura nem nem será feito através da plataforma www.fondoscultura.cl  A maneira de postular será mediante a apresentação de um formulário Word enviado ao e-mail convocatoria.redcultura@cultura.gob.cl

Outra medida adotada é que se eliminam as cartas de apoio e só se deve apresentar cartas de compromisso da equipe de trabalho. Neste processo também se considera o pagamento de honorários para quem executa a iniciativa e não se contempla uma porcentagem determinada para cada item de gasto.

 

Consultas: redcultura@cultura.gob.cl

Regulamento e formulários: https://bit.ly/33i27Y4

 

 

(*) Texto publicado no site do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile

 

 

Tags | , ,

28

ago
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Programa Red Cultura, do Chile, promove conversas, oficinas e cursos para organizações culturais comunitárias

Em 28, ago 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

Entre 4 de setembro e 15 de outubro será realizada uma série de atividades de formação em Gestão Cultural e Sustentabilidade, gratuitas e em formato virtual, promovidas pela Secretaria Regional Ministerial (Seremi) das Culturas, das Artes e do Patrimônio – Região de Tarapacá (Chile), através do programa Red Cultura. As conversas, oficinas e cursos são dirigidos a representantes de organizações culturais comunitárias (OCC) e juntas de vizinhos, gestores e agentes culturais e pessoas interessadas em desenvolvimento cultural do território. 

A conversa “Impacto da cultura no desenvolvimento dos territórios”, com Gerardo Daniel Padilla, dará início às atividades no dia 4 de setembro, às 17h (horário do Chile). Padilla é coordenador de Inovação e Desenvolvimento Institucional na Direção de Cultura de San Luis Potosí (México), onde lidera a iniciativa de cooperação multilateral “Carta da Cidade de San Luis Potosí pelos Direitos Culturais”, ao lado da UNESCO México, assim como a Comissão COVID-19 da Rede de Cidades e Governos Locais de IberCultura Viva.

Na segunda-feira 7 de setembro começará o curso “Sentido e desafios da organização cultural comunitária hoy”. Serão cinco sessões, sempre às 16h (horário do Chile): “Políticas Culturais” (07/09); “Participação Cidadã e Governança” (08/09); “Animação Sociocultural” (10/09); “Comunicação efetiva” (22/09); “Sentido e desafios da Gestão Cultural Comunitária hoje” (24/09). 

 

Inscrições:

Conversa inaugural: https://forms.gle/1Sum8JBrsXqUG6of7

Curso: https://forms.gle/NkkJWcKrByCUZnbA9

Consultas: redcultura.tarapaca@gmail.com

 

Tags | , , ,