Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.EPara o Topo

Arquivos Colombia - IberCultura Viva

13

Maio
2022

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Conheça os projetos da Colômbia selecionados no Edital de Apoio a Redes 2022

Em 13, Maio 2022 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O programa IberCultura Viva anunciou nesta sexta-feira, 13 de maio, os dois projetos da Colômbia selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2022. Estas propostas de eventos foram as que obtiveram a maior pontuação entre as 113 inscrições enviadas por redes colombianas nesta edição da convocatória. As duas receberão um apoio de 5 mil dólares cada.

O primeiro colocado por Colômbia foi a 1ª Convenção de Mulheres Negras da Amazônía Colombiana: “Território, saberes e cuidado coletivo”, proposta pela Red de Organizaciones de Base Afrocolombianas del Municipio de Florencia (Frema, Afrocaq, Fumanú). O segundo lugar ficou com “Juntanza Intercultural de Saberes Musicales Propios”, apresentada pela rede Ty Kuvx Juinjaye.

Os dois projetos se somam aos outros 22 que haviam sido publicados na última segunda-feira, 9 de maio, provenientes de Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Paraguai (país convidado), Peru e Uruguai. As 24 redes selecionadas neste edital serão contactadas pela Unidade Técnica de IberCultura Viva para realizar os trâmites que permitam o pagamento dos recursos financeiros às organizações responsáveis.

.

Convocatória

O Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2022 teve inscrições abertas no Mapa IberCultura Viva entre o dia 14 de janeiro e 14 de março. Nesse período foram enviadas à plataforma 251 postulações dos 12 países participantes. 

Podiam se candidatar redes ou articulações que contassem com ao menos três organizações culturais comunitárias interessadas em realizar um evento de maneira conjunta, entre maio e outubro de 2022. Os eventos apresentados podiam ser assembleias, encontros, congressos, seminários, festivais, feiras, colóquios e simpósios, com alcance municipal, provincial, nacional ou internacional, desde que com entrada livre e gratuita.

Na seleção dos projetos foram levados em conta critérios como a adequação aos objetivos estratégicos do programa IberCultura Viva, os impactos artístico-culturais, econômicos e/ou sociais da proposta, a experiência da rede ou articulação proponente, a avaliação da proposta técnica, e a coerência e adequação do orçamento e do plano de trabalho aos objetivos e estratégias propostos.

.

Confira a ata de seleção:

Informação às Pessoas Interessadas IV – Etapa de Seleção – Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2022 – Especial Colombia

.

Leia também:

22 projetos foram selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes 2022

Tags | , , ,

28

fev
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério da Cultura da Colômbia apresenta o Plano Decenal para Línguas Nativas

Em 28, fev 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Nesta segunda-feira, 21 de fevereiro, Dia Internacional das Línguas Indígenas, o Ministério da Cultura colombiano lançou o Plano Decenal das Línguas Nativas, instrumento que visa proteger e evitar a extinção de 65 línguas indígenas, duas crioulas (palenquera e creole) e o romani falado pelo povo cigano (ou rom).

O evento de lançamento, realizado no Teatro Colón de Bogotá com transmissão ao vivo, contou com a presença da ministra da Cultura, Angélica María Mayolo Obregón; do diretor de Populações do Ministério da Cultura, Luis Alberto Sevillano, e de representantes dos povos indígenas, comunidades negras, raizales e palenqueras. 

O Plano Decenal de Línguas Nativas da Colômbia está em conformidade com a Lei 1381 de 2010, que o torna um mecanismo que integra e prioriza as medidas apresentadas nos planos de salvaguarda linguística, ao mesmo tempo em que amplia as oportunidades e estratégias de recuperação e fortalecimento cultural.

Segundo a ministra Angélica María Mayolo Obregón, há mais de 12 anos as comunidades indígenas, afrodescendentes e ciganas esperavam por este plano: “Na Colômbia há 68 línguas nativas, 65 indígenas, 2 crioulas – o crioulo falado em San Andrés, Providencia e Santa Catalina, o ri palenque, falado em San Basilio de Palenque, Cartagena e Barranquilla – e a língua romaní do povo cigano. Soma-se a isso a língua de sinais colombiana, que faz parte da diversidade linguística e cultural de nosso território, caracterizada por ser visual, gestual e espacial. Por isso é de vital importância proteger a todo custo esse patrimônio inestimável de nossa nação”.

Para o diretor de Populações do Ministério da Cultura, Luis Alberto Sevillano, o Plano Decenal de Línguas Nativas é uma contribuição gigantesca para o país, pois promove e fortalece o uso e a proteção da diversidade de línguas na Colômbia. “É uma ferramenta fundamental e eficaz para a implementação participativa de políticas públicas, com a qual é possível atingir os objetivos de revitalizar e fortalecer as línguas nativas das etnias da Colômbia, como patrimônio imaterial e como parte substancial da diversidade étnica e cultural da nação colombiana”, afirma.

A data

O Dia das Línguas Nativas foi instituído na Colômbia com a promulgação da Lei 1381 de 2010, que declarou 21 de fevereiro como a data em que destaca a importância da riqueza linguística e cultural da nação. Esta data junta-se à celebração do Dia Internacional da Língua Materna proclamado pela UNESCO em 1999.

O Dia Internacional das Línguas Maternas e Dia Nacional das Línguas Nativas procura também “promover o multilinguismo para a inclusão na educação e na sociedade”, reconhecendo que as línguas e o multilinguismo promovem a inclusão. Além disso, os direitos linguísticos dos povos promovem o reconhecimento, a proteção e o incentivo ao uso das línguas em diferentes ambientes, incluindo o lar, a escola e as comunidades, especificamente no âmbito latino-americano.

Tags | ,

10

nov
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Se inicia el diagnóstico participativo para actualización del Plan Nacional de Cultura en Colombia

Em 10, nov 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

El Ministerio de Cultura de Colombia lidera la actualización del Plan Nacional de Cultura, un proceso participativo en el que se escucharán las voces de todos los colombianos y los agentes del sector. Este proceso entregará al país una hoja de ruta renovada para el desarrollo del sector cultural del país hacia los próximos 10 años, según anunció la ministra de Cultura, Carmen Inés Vásquez, el día 6 de noviembre.  

El Plan Nacional de Cultura 2001-2010 fue el resultado de un trabajo colectivo que trazó una ruta de futuro y aspiraciones comunes para la construcción de una ciudadanía democrática cultural. Este proceso contó con la participación de alrededor de 26 mil personas en diferentes consultas ciudadanas, en encuentros municipales, departamentales, regionales y nacionales, y fue liderado en conjunto con el Consejo Nacional de Cultura (CNCu). 

Desde 2011, la comunidad cultural nacional ha manifestado en diferentes espacios de participación la necesidad de actualizar el Plan Nacional de Cultura, de tal manera que responda a los retos actuales de la cultura, en los escenarios locales, nacionales y globales. 

El Ministerio de Cultura inició la preparación de la ruta de actualización del Plan Nacional de Cultura en 2019, en conjunto con los espacios de participación nacional como el Consejo Nacional de Cultura y los Consejos Nacionales de las Artes y la Cultura en Música, Danza, Teatro y Circo, Literatura, Artes Visuales y los Medios Ciudadanos.  

 

Una construcción colectiva  

El proceso de actualización del Plan Nacional de Cultura, que contempla cuatro grandes fases (alistamiento, diagnóstico, formulación y sostenibilidad), contará con diferentes momentos de participación que permitirán tener la mirada institucional, territorial, poblacional, subsectorial e intersectorial, para responder a los retos que desde estas perspectivas pueden ser planteadas por la institucionalidad del sector cultural, los agentes del arte, el patrimonio, el emprendimiento y las industrias culturales, los pueblos étnicos, y la comunidad en general, entre otros actores. 

“Se busca que, a partir de un espacio de participación, desde la pluralidad de los artistas, creadores y gestores culturales de todos los territorios del país, recibamos todas las propuestas, todas las opiniones y, de esta manera, juntos tracemos las metas y aspiraciones para el sector de los próximos 10 años. Para este proceso de actualización esperamos realizar el diagnóstico entre 2020 y 2021, y nos proponemos entregar el documento actualizado en el primer semestre de 2022”, precisó la ministra Carmen Inés Vásquez. 

En este 2020, también se espera iniciar con la consulta a la ciudadanía en los territorios y en 2021 iniciar la participación desde el enfoque subsectorial que se desarrollará de la mano de los Consejos Nacionales de Cultura y de Áreas artísticas, redes de trabajo y espacios de participación nacional y regional para la articulación con los agentes de la cultura en este proceso de construcción colectiva.  

 

Buzón de voz 

El Ministerio de Cultura ha puesto a disposición de la ciudadanía en general una herramienta que facilitará una amplia participación en la construcción colectiva de este Plan Nacional de Cultura. Se trata de un Buzón de Voz en su línea nacional gratuita 018000- 938081, para recoger la voz de la comunidad e identificar sus percepciones en torno a los retos para la cultura en la Colombia de hoy. 

 

(Fuente: Ministerio de Cultura de Colombia

 

Tags |

28

ago
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Ministerio de Cultura de Colombia abre la convocatoria 2021 del Programa Nacional de Concertación Cultural

Em 28, ago 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

El Ministerio de Cultura de Colombia, a través del Programa Nacional de Concertación Cultural (PNCC), invita a organizaciones sociales y culturales y entidades públicas y privadas sin ánimo de lucro a participar de la convocatoria 2021, mediante la cual se entregan recursos públicos para la ejecución de procesos, proyectos e iniciativas culturales en todo el país. Las inscripciones estarán abiertas hasta el 9 de octubre.

El objetivo es apoyar y permitir la ejecución de proyectos culturales y artísticos de forma presencial o remota, utilizando medios de comunicación comunitarios, regionales, públicos, universitarios, redes sociales u otros medios de divulgación digital, que garanticen el disfrute y reconocimiento del patrimonio cultural de manera democrática y segura. Este año se incluyen nuevos ajustes que responden a las necesidades del territorio, y dialogan con las condiciones de la actual coyuntura ocasionadas por la pandemia.

“Son tres los enfoques bajo los cuales se desarrolla la convocatoria 2021 del Programa Nacional de Concertación Cultural. Un enfoque diferencial que reconoce los derechos de los grupos étnicos y poblacionales. Un enfoque territorial que resalta la pluralidad de las expresiones artísticas y culturales de las regiones. Finalmente, un enfoque orientado a minimizar los impactos y efectos negativos generados al sector cultura, con ocasión a la emergencia sanitaria”, afirmó la ministra de Cultura, Carmen Inés Vásquez.

Por primera vez, el PNCC realiza dos convocatorias. La primera, dirigida a entidades del sector público, como gobernaciones, alcaldías, entidades públicas de carácter cultural e instituciones educativas. La segunda, dirigida a organizaciones culturales sin ánimo de lucro del sector privado, resguardos, cabildos y asociaciones indígenas, consejos comunitarios de comunidades negras, afrocolombianas, palenqueras, raizales y pueblos Rrom.

 

Líneas de participación

La convocatoria 2021 ofrece ocho líneas temáticas, que incluyen el reconocimiento de los derechos culturales de los grupos étnicos, poblacionales y con enfoque de género, y permiten articular las políticas gubernamentales con las realidades y prácticas locales:

  • Línea 1: Lectura, escritura y oralidad “Leer es mi cuento”.
  • Línea 2: Actividades artísticas y culturales de duración limitada. Línea 2.1: Carnavales, ferias y fiestas, como por ejemplo festivales de las artes, de las letras, muestras y festivales de cine y audiovisuales, carnavales, ferias y fiestas tradicionales, festivales de artes y medios digitales, festivales de nuevos medios y medios interactivos. Línea 2.2: Conciertos o eventos artísticos y culturales como por ejemplo recitales, conciertos, eventos artísticos corales, encuentros culturales o académicos de saberes artísticos y culturales, eventos artísticos y culturales en conexión con la cultura digital.
  • Línea 3: Fortalecimiento y circulación de procesos artísticos, culturales y de la economía naranja.
  • Línea 4: Programas presenciales, semipresenciales y/o virtuales de formación artística, cultural y de la economía naranja.
  • Línea 5: Investigación y fortalecimiento organizacional para las artes, el patrimonio cultural y la economía naranja.
  • Línea 6: Circulación artística a escala nacional.
  • Línea 7: Fortalecimiento cultural a contextos poblacionales específicos: Línea 7.1: Prácticas culturales de los Pueblos Indígenas, Línea 7.2: Prácticas culturales de las comunidades negras, afrocolombianas, raizales y palenqueras, Línea 7.3: Prácticas culturales del Pueblo Gitano o Rrom.
  • Línea 8: Prácticas culturales de la población con discapacidad.

 

Conozca más sobre las líneas de la convocatoria 2021:

https://www.sinic.gov.co/concertacion2021/

Consultas: concertacion@mincultura.gov.co

 

Texto: Ministerio de Cultura de Colombia

Tags | ,

26

jun
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério de Cultura da Colômbia lança a convocatória ‘Compartilhe o que somos’

Em 26, jun 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

O Ministério de Cultura da Colômbia abriu no dia 18 de junho uma nova convocatória dirigida aos artistas, criadores, gestores e organizações culturais do país, como um reconhecimento a sua trajetória e suas propostas de ação criativa para entender e afrontar o isolamento social.

O edital “Compartilhe o que somos: a arte, a cultura e o patrimônio, um abraço de esperança nacional” tem o propósito de entregar 12 bilhões de pesos colombianos a pessoas físicas, através de 8 mil incentivos (de 1,5 milhão, cerca de 400 dólares, cada), e outros 12 bilhões de pesos para pessoas jurídicas. Esta chamada pública, que conta com enfoque territorial, étnico e diferencial, está aberta até 9 de julho de 2020.

 

Pessoas físicas

Podem participar desta convocatória pessoas físicas de nacionalidade colombiana, maiores de idade, residentes na Colômbia, pertencentes a grupos étnicos, setores sociais e cidadãos em geral, com trajetória no desenvolvimento de práticas e expressões artísticas, culturais ou patrimoniais. 

As atividades incluem música, dança, teatro, literatura, títeres, circo, artes visuais, artes plásticas, moda e design, cozinha tradicional, formação em saberes tradicionais e/ou ancestrais, e comunicação audiovisual, sonora ou digital.

Os interessados podem participar através da plataforma comparte.mincultura.gov.co. Ali devem registrar seus dados pessoais, a descrição de trajetória no setor artístico, cultural e patrimonial, e a manifestação e/ou expressão com que se participa. Também devem anexar cédula de cidadania e suporte audiovisual de sua manifestação ou expressão cultural.

 

Pessoas jurídicas

Esta categoria está dirigida a entidades do setor cultural do país, sem fins lucrativos, para facilitar, apoiar e dar visibilidade a processos e atividades culturais, relacionadas com a formação artística e a circulação, através de meios digitais e tecnológicos.

Serão entregues recursos a projetos que contribuem para a convivência, a apropriação e o reconhecimento das diferentes manifestações artísticas e do patrimônio cultural nos territórios, e a criação de oportunidades para mitigar a crise.

A convocatória para pessoas jurídicas conta com duas linhas temáticas: 1) Programas de formação artística e cultural, desenvolvidos por meios digitais; 2) Circulação de processos artísticos e culturais através de meios digitais e tecnológicos.

Os recursos entregues pelo Ministério de Cultura nesta convocatória podem ser investidos em gastos artísticos, técnicos e logísticos, aluguéis, adequações e produção, manutenção, difusão e publicidade, custos operativos e/ou gastos de administração. Dentro dos recursos aprovados para a execução de cada projeto poderão ser destinados 30% para cobrir os gastos de administração, como serviços públicos e arrendamentos, entre outros. 

O registro também deve ser feito pela plataforma comparte.mincultura.gov.co. São requeridos cinco documentos: o formulário de registro assinado pelo representante legal; a acreditação da representação legal da organização; certificação bancária; cópia do documento de certificação jurídica, e uma cópia ampliada do documento de identidade do representante legal.

 

Passo a passo para realizar a inscrição:

Pessoas físicas: https://youtu.be/0IjBUt7jZZE

Pessoas jurídicas: https://youtu.be/AIyTtrgQrlM

Saiba mais: www.mincultura.gov.co

Consultas: comparte@mincultura.gov.co

Fonte: Ministerio de Cultura de Colombia 

 

Tags | , , ,

14

abr
2020

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

IberCultura Viva anuncia o resultado da convocatória especial de bolsas para Colômbia

Em 14, abr 2020 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O programa IberCultura Viva publicou nesta terça-feira 14 de abril o resultado final da convocatória especial de bolsas que se abriu para que pessoas da Colômbia participassem da edição 2020 do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária de FLACSO-Argentina. Este edital teve inscrições abertas entre 18 e 30 de março. Das 184 postulações enviadas, foram selecionadas as oito candidaturas com maior pontuação.

Estas oito pessoas que receberão as bolsas integrais do curso vão se somar às 79 selecionadas dos outros 10 países integrantes de IberCultura Viva (Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai). A lista com o resultado dos 10 países foi publicada em 31 de março. 

A avaliação, a cargo do Conselho Intergovernamental através de representantes do Ministério de Cultura da Colômbia, levou em conta os critérios estabelecidos no regulamento da convocatória, como a experiência em gestão cultural, em ações culturais comunitárias e na incidência, elaboração e execução de políticas públicas de cultura, além da formação universitária em gestão cultural, artes, ciências sociais, humanas ou econômicas.  

 

O curso

O Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária será realizado de abril a dezembro, de maneira virtual, junto à Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (sede Argentina). Os conteúdos do curso de pós-graduação estão distribuídos em seis módulos e 24 aulas. 

As aulas são publicadas uma vez por semana – com uma semana de recesso no final de cada módulo – e se abre um fórum para cada aula publicada, gerando um espaço de debate e intercâmbio de ideias e experiências em torno dos temas tratados.  

Para cumprir com os objetivos do curso, deve-se realizar um trabalho parcial escrito sobre os três primeiros módulos e um trabalho final integrador, que consiste em desenhar e planejar um projeto cultural comunitário ou uma política cultural pública de base comunitária. 

As pessoas selecionadas neste edital receberão uma bolsa integral e não terão que pagar nada pelo curso, desde que cumpram com as avaliações parciais e apresentam o trabalho final. 

 

 

Confira a lista de pessoas selecionadas na convocatória:

Información a los Interesados II: Etapa de Evaluación – Convocatoria a Becas para el Curso de Posgrado Internacional en Políticas Culturales de Base Comunitaria FLACSO 2020 – Especial Colombia

 

Saiba mais sobre o curso:

https://flacso.org.ar/formacion-academica/posgrado-internacional-en-politicas-culturales-de-base-comunitaria/

 

Tags | , , ,

31

mar
2020

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

184 postulações foram habilitadas na Convocatória especial de bolsas para Colômbia

Em 31, mar 2020 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

A convocatória especial de bolsas que se abriu este mês para que Colômbia integrasse a terceira turma do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária FLACSO-IberCultura Viva recebeu um total de 184 postulações. Todas as candidaturas foram consideradas habilitadas e seguirão no processo de avaliação do edital. As inscrições estiveram abertas no Mapa IberCultura Viva entre os dias 18 e 30 de março. 

O programa concederá oito bolsas para Colômbia na edição 2020 do curso virtual da FLACSO-Argentina. Estas pessoas vão se somar às 79 selecionadas dos outros 10 países integrantes do IberCultura Viva, anunciadas nesta terça-feira 31 de março. A lista com as candidaturas selecionadas da Colômbia será divulgada antes de 15 de abril. 

A etapa de avaliação das propostas habilitadas será de responsabilidade dos representantes governamentais do país, e terá como observador um representante da Unidade Técnica do IberCultura Viva.  

A seleção levará em conta critérios como a experiência em gestão cultural, em ações culturais comunitárias e na incidência, elaboração e execução de políticas públicas de cultura, além da formação universitária em gestão cultural, artes, ciências sociais, humanas ou econômicas. Quem pertence a povos indígenas ou é afrodescendente receberá um ponto extra na avaliação. A classificação final considerará as maiores pontuações obtidas, e pelo menos 50% das pessoas selecionadas deverão ser mulheres.

 

O curso

O Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária FLACSO-IberCultura Viva será realizado a distância, entre abril e dezembro de 2020, através do Campus Virtual da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO), sede Argentina. 

Os conteúdos estarão distribuídos em seis módulos e 24 aulas. As aulas serão ministradas em espanhol, exceto aquelas a cargo de professores brasileiros, que serão oferecidas em português e terão tradução para o espanhol. 

Para cumprir com os objetivos do curso será necessário realizar um trabalho parcial sobre os três primeiros módulos e um trabalho final integrador, que consiste em desenhar e planejar um projeto cultural comunitário ou uma política cultural pública de base comunitária. 

 

Confira a lista de candidaturas habilitadas:

Información a los Interesados I – Etapa de Habilitación: Convocatoria a Becas para el Curso de Posgrado Internacional en Políticas Culturales de Base Comunitaria-FLACSO 2020 – COLOMBIA

Leia também:

IberCultura Viva abre convocatória especial de bolsas para seu novo país membro: Colômbia

Tags | , , ,

17

mar
2020

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

IberCultura Viva abre convocatória especial de bolsas para seu novo país membro: Colômbia

Em 17, mar 2020 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O programa IberCultura Viva agora conta com a presença da Colômbia como país membro. Com a adesão, o Conselho Intergovernamental volta a ser integrado por 11 países: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai. 

Para que o novo país membro conte com representantes na edição de 2020 do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária FLACSO-IberCultura Viva, o programa abre nesta quarta-feira 18 de março uma convocatória especial de bolsas, somente para pessoas candidatas da Colômbia. Sete candidaturas serão selecionadas para receber bolsas integrais do curso. As inscrições estarão abertas no Mapa IberCultura Viva até a segunda-feira 30 de março, às 18h de Bogotá. 

As pessoas interessadas em participar do edital devem trabalhar em órgãos públicos de cultura, ser gestor/a cultural independente em atividade ou ser membro de organizações culturais de base comunitária ou de povos indígenas. Também devem ter experiência na incidência, elaboração e execução de políticas culturais públicas e/ou em gestão cultural comunitária. Será valorizada a formação universitária em gestão cultural, artes, ciências sociais, humanas ou econômicas.

É necessário contar com acesso à internet e disponibilidade de pelo menos 10 horas semanais para acompanhar o curso virtual de abril a dezembro de 2020. O curso é ministrado por meio do Campus Virtual da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO), sede Argentina. Os conteúdos estão distribuídos em seis módulos e 24 classes.

Para se inscrever em um edital do IberCultura Viva é necessário registrar-se primeiramente como agente no Mapa IberCultura Viva. Esta plataforma permite o registro de dois tipos de agentes: individual e coletivo. Por agentes individuais compreendemos as pessoas físicas, e por agentes coletivos, as organizações culturais comunitárias, entidades, povos indígenas, coletivos, agrupações e instituições. No caso do edital para concorrer a bolsas do curso da FLACSO, basta o registro de agente individual (pessoa física). Aqui está um manual com instruções de como registrar-se na plataforma: https://iberculturaviva.org/manual/

 

Inscrições: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/127/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

Saiba mais sobre o curso:

https://flacso.org.ar/formacion-academica/posgrado-internacional-en-politicas-culturales-de-base-comunitaria/

 

(Foto: Encuentro de la Armonía/ Plataforma Puente CVC)

Tags | , , ,

26

jan
2017

Em Notícias

Por IberCultura

“Educar en la Armonía”: um livro sobre cultura, educação e convivência para o bem comum

Em 26, jan 2017 | Em Notícias | Por IberCultura

Entre 11 e 17 de setembro de 2016, Medellin foi palco do Encontro da Harmonia: Cultura + Educação + Comunidade, um espaço para o diálogo de saberes, práticas e processos desenvolvidos por organizações da Colômbia e de outros 11 países (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México e Peru). Ao longo de seis dias foram realizados percursos, visitas às comunidades, jornada pedagógica, seminário e mesas de trabalho sobre cultura comunitária e os diversos contextos educativos para o bem comum. Deste encontro resultou um livro digital com 176 páginas: Educar en la Armonía: Cultura + Educación + Comunidad.

“São memórias de diversos processos, é um documento de memórias vivas, de mulheres e homens que tecem organizações ao longo e ao largo da América Latina, que se juntaram na cidade de Medellín para realizar o encontro”, escreve na apresentação Amalia Londoño, secretária de Cultura Cidadã da Prefeitura de Medellín, que apoiou a organização do evento, a cargo da Plataforma Puente Cultura Viva Comunitaria Medellín-Valle de Aburrá.

“O entramado de Cultura Viva Comunitária reconhece a necessidade de um novo paradigma que recrie o exercício do poder, estabelecendo relações mais dinâmicas, horizontais, e democráticas entre todos os atores”, acrescenta Londoño. “Como força regional, se propõe incidir em políticas públicas sem fronteiras de desenvolvimento cultural na América Latina, como as impulsadas nos últimos anos no Brasil como país, e em Medellín como cidade, experiências em que um governo sensível às demandas sociais pavimenta o caminho aberto pelas organizações sociais, e as organizações sociais, no exercício de sua cidadania, criam as condições para que a sociedade mude.”

No Encontro da Harmonia, como mostra o texto, se propôs a aproximação, a articulação e o diálogo de experiências de cultura comunitária e outras formas de educação que incluem em seus processos formativos a beleza, a ética e a convivência. O livro resulta desta intenção. É também uma tentativa de responder e seguir refletindo sobre as muitas perguntas feitas durante o encontro: Educamos? O que educamos? Por quê? Para quê? Como? Quem e para quem? Onde? Quando?

Os capítulos

Educar en la Armonía se divide em três capítulos. O primeiro aborda a reflexão que se fez com 50 crianças e jovens em uma oficina (prévia ao encontro) sobre os conceitos cultura, educação e comunidade para a compreensão e construção contemporânea da convivência. As recomendações surgidas das crianças e dos jovens durante esta oficina foram consolidadas em um documento aqui apresentado.

O segundo capítulo é composto dos textos sobre as experiências convidadas. Os artigos contam com uma primeira parte que descreve o fazer das organizações (uma síntese de seu contexto de trabalho, estrutura programática e operativa) e uma segunda parte sobre a experiência do programa ou projeto que a organização apresentou no encontro (os conceitos e as metodologias que colocam em prática nessa relação cultura + educação + comunidade).

Três textos com reflexões do Encontro da Harmonia formam o terceiro capítulo. Um deles é uma relatoria geral do evento assinada por Juan Fernando Sierra. Os outros dois são os artigos “…y la vida es también un hecho cultural, do colombiano Gabriel Jaime Arango, e  “Cultura a unir os povos”, do historiador brasileiro Célio Turino.

Em seu texto, Arango aborda questões como a natureza e os fins dos sistemas educativos, a educação e a formação integral da personalidade e os aprendizados que se deve procurar (aprender a ser, a conhecer, a fazer, a aprender, a viver juntos). “Configurar em cada estudante de um país a consciência sobre o valor supremo da dignidade humana e o respeito aos direitos humanos é e será o principal desafio que a educação humanista deve assumir”, destaca.

Turino, por sua vez, percorre alguns dos marcos do movimento latino-americano de Cultura Viva Comunitária, como os Congressos de La Paz (2013) e El Salvador (2015), o Congresso Ibero-americano de Cultura de 2014 (realizado em Costa Rica, com o tema das culturas comunitárias), e a aprovação da primeira lei municipal de Cultura Viva, em Medellin, em 2011. Além disso, recorda os mais de 10 anos da política pública no Brasil, entre teoria, conceitos, construção e gestão. Uma política que começou com uma ideia simples — potenciar o que já existe — e logo ganhou a atenção de vários países ibero-americanos, como se pôde ver neste Encontro da Harmonia.

Os convidados

As experiências internacionais participantes do encontro foram: Ação Griô (Brasil), Caja Lúdica (Guatemala), Conarte (México), Crear Vale la Pena (Argentina), El Arte Nos Une (Equador), Escuela Espiritual de la Naturaleza (Costa Rica), TNT – Tiempos Nuevos Teatro (El Salvador), Vichama Teatro (Peru), Walabis (Honduras) e Wayna Tambo (Bolívia). O livro também conta  com a apresentação de Pablo Rojas Durán, chefe do Departamento de Educação e Formação em Artes e Cultura do Conselho das Artes e da Cultura do Chile.

Da Colômbia se apresentaron experiências desenvolvidas em diferentes pontos do país, como Guajira (Centro Etnoeducativo Aujero), Cauca (Red Colombia para la Actoría Social Juvenil), Nariño (Casa de la Ciencia y el Juego), Medellín (Corporación Cultural Canchimalos e Universidad de los Niños de Universidad Eafit) e Bogotá (Centro de Desarrollo Taller de Vida e Programa Clan Idartes).

Fazendo de Medellín um cruzamento de caminhos, o Encontro da Harmonia buscou apresentar experiências diversas, “em suas concepções e metodologias, em suas singularidades e pluralidades, a partir das realidades de cada país e os momentos históricos”, estabelecendo campos de diálogo comum. Também buscou contrastar experiências de grande liderança no território com iniciativas de universidades e órgãos governamentais que empreendem ações formativas nos territórios, deixando clara a necessidade de entender a educação em um sentido mais amplo, como sinônimo de relação e de conversação, e de pensar a cultura como uma ferramenta permite saltos para novos horizontes.  

Leia o livro Educar en la Armonía aqui:  https://bit.ly/2k3LQ2u

 

Leia também:

Encontro da Harmonia reunirá em Medellín representantes de organizações de 11 países

Tags | , ,